Pular para o conteúdo principal

Queimação

Ciliane Vendruscolo e Patricia Cipriano (alto)
Foto: Lidia Ueta


Por Valmir Santos

A dramaturgia sempre tateante de Luiz Felipe Leprevost, no sentido táctil mesmo, desenha com cores gris as paisagens de dentro e de fora. Dos lugares, dos corpos, dos seres. Como nas figuras espectrais de Encostei minha angústia no sol. O texto conforma um arquétipo de família disfuncional permeada por incesto, inveja, assassinato. No entanto, a trama não é insinuada de mão beijada. As pistas são lançadas paulatina e principalmente por meio da linguagem textual: as frases que ficam no meio do caminho, precipitam de abismos pessoais sob desconfianças e agressividades.

Pai, mãe e filhas queimam suas memórias e realidades inventadas em torno do episódio em que uma das crias ateou fogo na casa. Esse elemento trágico não se adensa, aparentemente todos estão sob controle. Autocontrole de se saber suspenso no presente que escuta vozes do passado. “Não fale pela minha memória”, diz uma delas.

O autor pactua com o experimento sem perder a chance de arrematar versos entranhados na narrativa, como ao valorizar a fachada lúdica da palavra “gulodice”. Ou radiografar pés e dorso plantando metáforas para quem as lance com convicção. O elenco empenha-se nesse desafio, em particular Patricia Cipriano e sua alta voltagem nas expressões vocal e corporal. Há um momento em que ela chora copiosamente sem transbordamento, esbanjando consciência técnica.

A criação do grupo Teatro da Geada prospecta transformar-se em espetáculo. O trabalho continuado – Débora Vecchi e Ciliane Vendruscolo estavam na montagem anterior, O Butô de Mick Jagger – contribui decisivamente para que os porta-vozes dessas paragens de cena possam se apropriar dos desvios que saem da boca ficcional. Ao diretor Leprevost, resta libertar-se da gramática de atmosferas, despencar mais visceral na presença corpórea como Patricia Cipriano dá notícias. Deixar que os atores também deem seu “texto” pessoal e físico no encontro com a palavra leprevostiana.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Zona erógena e cócegas

Em “Romeu e Julieta”, o frei Lourenço afirma que “Esses prazeres violentos têm finais violentos/ E, em seu triunfo, morrem como o fogo e a pólvora./ Que se consomem quando se beijam”. Para além do fundo histórico e social da tragédia, a impossibilidade da consumação do amor juvenil em Shakespeare talvez nos diga mais sobre a sabotagem dos desejos na contemporaneidade. Um prolongado beijo entre personagens que se dizem irmãos, ele e ela, é um dos múltiplos ruídos propositalmente desestabilizadores em “La Belle Merde”, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea, de Florianópolis. A objetividade científica da forma expositiva vem associada à apresentação de seminário ou conferência que aparenta se passar em sala de convenção ou sala de aula, ainda que sugira a neutralidade de um ambiente com uma cadeira e uma mesa discretas, além da luz invariável. Os atores Lara Matos, Lucas Heymanns e Marco Antonio Oliveira surgem alinhados à boca de cena. Têm atrás de si banners que exibem corpos nus …

Desencanto vital

Nem a fascinação nem a resignação. “Essa é a nossa linguagem!”, alguém avisa. O caminho do meio expandido e forrado de aptidões possíveis. A ação cênica “Outros Sobreviventes”, do Coletivo Mamulengos de Mameluri, mergulha no vale dos vácuos desencantados e de lá processa a capacidade de resiliência em produzir transformação, moto-contínuo de quem lida com arte. Há um pendor cumulativo na capacidade gregária de atrair trabalhadores cênicos de outros grupos de Curitiba e fazer do palco o seu terreno baldio a ser ocupado por/de figuras estranhas, objetos de filiações as mais diversas (livros, sofás, galões, figurinos soltos, etc.). Não deixa de ser uma demarcação para libertar-se daquilo que te prende: o teatro. Sobretudo seu desenho físico gerador de expectativas amortecidas, ou assim alimentadas pela maioria conformista daqueles que o habitam provisoriamente, independente da natureza arquitetônica do espaço. Desse amontoado em desordem crescente migramos para outras percepções. Há uma …