Pular para o conteúdo principal

Queimação

Ciliane Vendruscolo e Patricia Cipriano (alto)
Foto: Lidia Ueta


Por Valmir Santos

A dramaturgia sempre tateante de Luiz Felipe Leprevost, no sentido táctil mesmo, desenha com cores gris as paisagens de dentro e de fora. Dos lugares, dos corpos, dos seres. Como nas figuras espectrais de Encostei minha angústia no sol. O texto conforma um arquétipo de família disfuncional permeada por incesto, inveja, assassinato. No entanto, a trama não é insinuada de mão beijada. As pistas são lançadas paulatina e principalmente por meio da linguagem textual: as frases que ficam no meio do caminho, precipitam de abismos pessoais sob desconfianças e agressividades.

Pai, mãe e filhas queimam suas memórias e realidades inventadas em torno do episódio em que uma das crias ateou fogo na casa. Esse elemento trágico não se adensa, aparentemente todos estão sob controle. Autocontrole de se saber suspenso no presente que escuta vozes do passado. “Não fale pela minha memória”, diz uma delas.

O autor pactua com o experimento sem perder a chance de arrematar versos entranhados na narrativa, como ao valorizar a fachada lúdica da palavra “gulodice”. Ou radiografar pés e dorso plantando metáforas para quem as lance com convicção. O elenco empenha-se nesse desafio, em particular Patricia Cipriano e sua alta voltagem nas expressões vocal e corporal. Há um momento em que ela chora copiosamente sem transbordamento, esbanjando consciência técnica.

A criação do grupo Teatro da Geada prospecta transformar-se em espetáculo. O trabalho continuado – Débora Vecchi e Ciliane Vendruscolo estavam na montagem anterior, O Butô de Mick Jagger – contribui decisivamente para que os porta-vozes dessas paragens de cena possam se apropriar dos desvios que saem da boca ficcional. Ao diretor Leprevost, resta libertar-se da gramática de atmosferas, despencar mais visceral na presença corpórea como Patricia Cipriano dá notícias. Deixar que os atores também deem seu “texto” pessoal e físico no encontro com a palavra leprevostiana.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…