Pular para o conteúdo principal

Plasticidades

Henrique Saidel desmascara o olhar pornográfico
Foto: Elenize Dezgeniski


Por Valmir Santos

Uma entrevista pornográfica de José Luiz Datena com a atriz Cicciolina, em 1990, abre a cena que plasma em vídeo os artifícios da sedução mercantil. Na manobra de massa televisiva que já adiantava o caráter do apresentador que hoje toma de assalto as tardes brasileiras. E na pele da estrela pornô convidada a mostrar o seio “com exclusividade” para a câmera da emissora, closes generosos também nos olhos postiços e na boca. A Companhia Silenciosa traz esse arquivo à tona para estilizar politicamente o corpo como objeto de mercadoria. O rosto decalcado da sociedade e do cidadão multifacetado pela cosmética, no que só pode soar irônica a declaração de Cicciolina de apostar mais em beleza interior.

Depois de tantos impropérios em pouco mais de três minutos de projeção em vídeo, a ação abdica da palavra e passa a se exprimir somente por imagens construídas ao vivo. Henrique Saidel é a figura que corporifica a hipertrofia do desejo na pele de borracha verde que o reveste dos pés ao coro cabeludo – uma boa ideia para a indústria do látex usar em propaganda de camisinha.

A movimentação é cerimoniosa e flerta com incógnitas. É do ventre de um peixe natural, simbolizado como falo, que sai uma máscara. Na palma da mão do homem-bile, essas vísceras lembram o impacto de Narciso diante do espelho d´água. O gesto detona o desmascaramento: uma, duas, três camadas... E o coro recém-introduzido também desfila seus rostos neutralizados e homogeneizados pela epiderme da dissimulação. Uma esfinge coral anestesiada que descartará a figura agora nua.

Cicciolina’s Breakfast é um exercício derivado da linha de pesquisa híbrida da Silenciosa, seu pé firme nas artes visuais e a disposição incondicional para confrontar temas tabus com riscos formais igualmente desestabilizadores.


A esfinge coral e a máscara virtual
Foto: Elenize Dezgeniski


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…