Pular para o conteúdo principal

Plasticidades

Henrique Saidel desmascara o olhar pornográfico
Foto: Elenize Dezgeniski


Por Valmir Santos

Uma entrevista pornográfica de José Luiz Datena com a atriz Cicciolina, em 1990, abre a cena que plasma em vídeo os artifícios da sedução mercantil. Na manobra de massa televisiva que já adiantava o caráter do apresentador que hoje toma de assalto as tardes brasileiras. E na pele da estrela pornô convidada a mostrar o seio “com exclusividade” para a câmera da emissora, closes generosos também nos olhos postiços e na boca. A Companhia Silenciosa traz esse arquivo à tona para estilizar politicamente o corpo como objeto de mercadoria. O rosto decalcado da sociedade e do cidadão multifacetado pela cosmética, no que só pode soar irônica a declaração de Cicciolina de apostar mais em beleza interior.

Depois de tantos impropérios em pouco mais de três minutos de projeção em vídeo, a ação abdica da palavra e passa a se exprimir somente por imagens construídas ao vivo. Henrique Saidel é a figura que corporifica a hipertrofia do desejo na pele de borracha verde que o reveste dos pés ao coro cabeludo – uma boa ideia para a indústria do látex usar em propaganda de camisinha.

A movimentação é cerimoniosa e flerta com incógnitas. É do ventre de um peixe natural, simbolizado como falo, que sai uma máscara. Na palma da mão do homem-bile, essas vísceras lembram o impacto de Narciso diante do espelho d´água. O gesto detona o desmascaramento: uma, duas, três camadas... E o coro recém-introduzido também desfila seus rostos neutralizados e homogeneizados pela epiderme da dissimulação. Uma esfinge coral anestesiada que descartará a figura agora nua.

Cicciolina’s Breakfast é um exercício derivado da linha de pesquisa híbrida da Silenciosa, seu pé firme nas artes visuais e a disposição incondicional para confrontar temas tabus com riscos formais igualmente desestabilizadores.


A esfinge coral e a máscara virtual
Foto: Elenize Dezgeniski


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Zona erógena e cócegas

Em “Romeu e Julieta”, o frei Lourenço afirma que “Esses prazeres violentos têm finais violentos/ E, em seu triunfo, morrem como o fogo e a pólvora./ Que se consomem quando se beijam”. Para além do fundo histórico e social da tragédia, a impossibilidade da consumação do amor juvenil em Shakespeare talvez nos diga mais sobre a sabotagem dos desejos na contemporaneidade. Um prolongado beijo entre personagens que se dizem irmãos, ele e ela, é um dos múltiplos ruídos propositalmente desestabilizadores em “La Belle Merde”, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea, de Florianópolis. A objetividade científica da forma expositiva vem associada à apresentação de seminário ou conferência que aparenta se passar em sala de convenção ou sala de aula, ainda que sugira a neutralidade de um ambiente com uma cadeira e uma mesa discretas, além da luz invariável. Os atores Lara Matos, Lucas Heymanns e Marco Antonio Oliveira surgem alinhados à boca de cena. Têm atrás de si banners que exibem corpos nus …

Desencanto vital

Nem a fascinação nem a resignação. “Essa é a nossa linguagem!”, alguém avisa. O caminho do meio expandido e forrado de aptidões possíveis. A ação cênica “Outros Sobreviventes”, do Coletivo Mamulengos de Mameluri, mergulha no vale dos vácuos desencantados e de lá processa a capacidade de resiliência em produzir transformação, moto-contínuo de quem lida com arte. Há um pendor cumulativo na capacidade gregária de atrair trabalhadores cênicos de outros grupos de Curitiba e fazer do palco o seu terreno baldio a ser ocupado por/de figuras estranhas, objetos de filiações as mais diversas (livros, sofás, galões, figurinos soltos, etc.). Não deixa de ser uma demarcação para libertar-se daquilo que te prende: o teatro. Sobretudo seu desenho físico gerador de expectativas amortecidas, ou assim alimentadas pela maioria conformista daqueles que o habitam provisoriamente, independente da natureza arquitetônica do espaço. Desse amontoado em desordem crescente migramos para outras percepções. Há uma …