Pular para o conteúdo principal

Olhos d'água

Francis Severino e João Filho, Joaquim e Pedro
Fotos: Elenize Dezgeniski


Por Valmir Santos

Quintal, da Casca de Nós Companhia de Teatro, são duas crianças, a "velha" e a "nova", corresponsáveis por elas mesmas e cocriadores do reino da invenção que lhes permite dobrar a realidade. Dois meninos em busca de um pai que se foi. A esperança de sua volta é o que sustenta o realismo fantástico do mundo que eles carregam por meio de suas roupas, a lata d’água, as bolinhas. Do início ao fim, o espaço nu ganha composições por meio das mãos da dupla que o constrói ou o desmancha. Na primeira sessão no Novelas Curitibanas, as janelas abertas vazam a luz do dia, árvores e prédios. Os atores adentram, fecham as esquadrias e o escuro concorre com os primeiros fiapos luminosos da cena.

Estamos pisando um universo pequeno, que cabe na ponta de uma agulha, como informa a imagem inicial da dramaturgia banhada em lirismo rapsódico, aquele que mistura vozes narradoras e diálogos no transcorrer da ação, trazendo ecos da infância nos contos e romances de Guimarães Rosa em que a brincadeira com ossos animais simbolizam as formas da imaginação resistir e erguer beleza diante do precário. Mas quem ocupa a terceira margem do rio aqui é a poesia de Manoel de Barros, inspiração mor.

A direção de Joaquim Elias dá conta de apresentar percursos e paisagens do texto depositando tudo na presença dos atores, no corpo transportador dos sonhos, das fantasias e das dores. Nas atuações de Francis Severino e João Filho, este também o dramaturgo, enxergamos a beira do rio e somos cúmplices do caçula no sequestro da água a ser punido pelo pai do céu e da terra, como provoca em momento de descontração o primogênito, um ser que cuida e roga ser cuidado numa oração. O pendor cristão é insinuado na relação culpa/pecado, mas não se sobrepõe ao sagrado em sua dimensão mais essencial, despida do dogma.

O ato de correr em círculo sugere a temporalidade que também está contida na palavra. Um texto sobre o abandono e cuja extração poética aponta o diagnóstico contundente sobre a ausência dos adultos, um tema urgente nas sociedades contemporâneas ao questionar o que elas estão fazendo com suas crianças.


Os atores da Casca de Nós
Foto: Elenize Dezgeniski


Observação: texto reescrito a partir das impressões anotadas na apresentação de Quintal, em junho de 2011, no âmbito do 12º Festival Cenas Curtas organizado pelo Galpão Cine Horto em Belo Horizonte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…