Pular para o conteúdo principal

A camiseta que habito


Clarissa Oliveira em 'Que Bom Que Você Entendeu...' } Elenize Dezgeniski

A Companhia Transitória encampa um depoimento antiviolência contra a mulher em “Que Bom Que Você Entendeu Que Estou Tão Perdida Quanto Você”. Proposição tudo a ver com as letras de uma banda californiana que marcou a década de 1990 com pegadas punk e grunge, o Hole, influência confessa da diretora e dramaturga Nina Rosa Sá e cujas canções, em geral, versam sobre os malefícios da sociedade patriarcal, permissiva ao assédio, às agressões física e psicológica, à cultura do estupro. Questões de identidade, de sexualidade e de imagem corporal que aparecem, por exemplo, na letra de “Celebrity Skin” (pele de celebridade, 1998), interpretada pela vocalista e guitarrista Courtney Love. Há uma atitude independente e indignada na disposição e nas falas das atrizes Ludmila Nascarella, Clarissa Oliveira e Ana Larousse. Seus discursos afirmativos são unívocos (efeito colateral do tom monocórdio das vozes, diga-se). Elas se posicionam com propriedade e conhecimento de causa, por assim dizer. Enquanto cocriadoras, deixam entreouvir experiências autobiográficas, ou não, em relatos de conexão universal relativos a relacionamentos afetivos e sociabilidades arranhadas. A camiseta que costuma estampar protestos resulta em principal dispositivo. As atrizes trocam uma por outra e põem novamente, de acordo com o tópico que lhe cabe na deixa. Roupas como as dessas figuras também aparecem suspensas em varais, com dizeres e cores outras. O nome de Elza Soares é lida numa daquelas que as atrizes usam. Nos relatos, as agruras da primeira relação, a decepção com o amigo gay que reproduz machismo, a lembrança de ter sido coagida a transar sem que o quisesse, entre outras situações. O trio de atrizes tem presença discreta, como se compenetrado numa ação performativa. Ao final, uma quarta participante, a artista plástica Ivana Lima, maneja cartazes de uma canção. A postura musical que pautou tudo que se viu e ouvi até aqui (tons em penumbra na luz e na maior parte dos figurinos) de fato ancora a cena e termina com a participação de uma banda ao vivo, formada só por mulheres (como toda a equipe de criação de “Que Bom Que Você Entendeu...”). Trata-se de uma banda que não existe oficialmente, cantando em inglês. Um quarteto de duas atrizes e duas musicistas convidadas. Essa inspiração pop não alivia a gravidade do que essas mulheres artistas têm a dizer e reagir poeticamente, ao contrário. (Valmir Santos

Cena da Transitória é inspirada na canção 'Celebrity Skin', do Hole } Elenize Dezgeniski

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prêtà-porquê – Cia portátil

A cena da Cia Portátil, assim como a cena que se apresentou logo antes, da Cia 5 cabeças, também atingiu um ponto de relação com o espectador que abre possibilidades para a Mostra agregar um público espontâneo, que não está comprometido com o teatro ou com os integrantes dos grupos que estão se apresentando no evento. O que me parece mais pungente na cena é a presença dos contrastes internos. O humor é simples, declarado, imediato. No entanto, o que chega para o espectador não é só o divertimento, mas um divertimento entrecortado de diversas outras sensações. Um dos contrastes mais visíveis da cena parece ser a instituição da espetacularidade mesmo sem a presença de números propriamente espetaculares. Os signos usados na encenação inscrevem a cena dentro de um contexto que não prevê uma atitude crítica, mas uma exibição de habilidades. O que a cena traz é exatamente o oposto, o deboche do virtuosismo. Assim, a comicidade vem à tona, mas recheada de comentários e de perguntas. A cena

Zona erógena e cócegas

Cena  parte de texto de catalão e é dirigida por André Carreira }  Elenize Dezgeniski Em “Romeu e Julieta”, o frei Lourenço afirma que “Esses prazeres violentos têm finais violentos/ E, em seu triunfo, morrem como o fogo e a pólvora./ Que se consomem quando se beijam”. Para além do fundo histórico e social da tragédia, a impossibilidade da consumação do amor juvenil em Shakespeare talvez nos diga mais sobre a sabotagem dos desejos na contemporaneidade. Um prolongado beijo entre personagens que se dizem irmãos, ele e ela, é um dos múltiplos ruídos propositalmente desestabilizadores em “La Belle Merde”, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea, de Florianópolis. A objetividade científica da forma expositiva vem associada à apresentação de seminário ou conferência que aparenta se passar em sala de convenção ou sala de aula, ainda que sugira a neutralidade de um ambiente com uma cadeira e uma mesa discretas, além da luz invariável. Os atores Lara Matos, Lucas Heymanns e Marco Antoni

Coração acéfalo/Boca desgarrada - Companhia Subjétil

A cena da Companhia Subjétil apresenta uma característica interessante dentro do contexto da Mostra: a construção da dramaturgia para os sugeridos 15 minutos de apresentação em uma dinâmica coerente com a utilização do tempo. Na maior parte das outras cenas assistidas até agora, mesmo nas que foram pensadas especificamente para a Mostra, a duração ficou um pouco marcada como uma premissa externa – seja por insuficiência de tempo para que o espectador encontre um fio condutor para si, seja por uma tentativa de preencher os quinze minutos com o maior número possível de signos. “Coração acéfalo/Boca desgarrada” tem uma cadência própria. Em outras apresentações, os 15 minutos foram divididos em mais de uma cena, às vezes cada uma com uma tônica diferente. Isso não é necessariamente um problema, afinal a Mostra abre possibilidades para uma variedade de propostas, mas dentro de um horizonte de convivência, me pareceu que essa particularidade da cena da Companhia Subjétil fez uma diferença