Pular para o conteúdo principal

Liquefeitos

Marcel Szyman e Janaína Matter em 'A Pequena Sereia' } Elenize Dezgeniski

A julgar pelo que se experimenta em “A Pequena Sereia”, a transposição de fábulas para a cena contemporânea é uma tarefa que a Setra Companhia de Teatro se dá com o devido senso de complexidade dessa operação. Não se vai ao conto de Andersen, de 1837, para fazer tábula rasa. Menos ainda quando a voga do sereismo, seja lá o que isso for, vira praga disseminada pela teledramaturgia que consegue embalar até a cauda dessa figura para vender. Dois movimentos conformam essa narrativa desconstruída para discutir questão de gênero, pelo menos a camada mais evidente. No primeiro, Janaína Matter e Marcel Szymanski compõem dueto para voz única, a da personagem-título. O olhar longo e circunspecto do ator rastreia a plateia de um ponto a outro, antes de soltar: “Eu sou a Pequena Sereia”. Ele senta e conta sobre o quanto desejava emergir à superfície e, quando assim o fez, encontrou um homem a quem salvou de um naufrágio, o deitou na areia e partiu, retornando à vida submarina. Logo a atriz senta ao lado e as falas superpostas permitem auscultar como a paixão dele ou dela são simétricas e demasiado humanas. Uma cauda inflável azul, no colo do homem, e o busto de um manequim masculino, no colo da mulher, dizem sobre as variações do desejo que não se limitam à convenção binária. A superposição dialógica é bem humorada e atrai a atenção própria do tom fabular do que está sendo dito e transportado para nosso imaginário. No segundo movimento, Janaína e Marcel recuam para o plano do fundo do palco. A luz, estável na primeira parte, agora desenha literalmente um espaço e um tempo etéreos. É lá desde lá que ouvimos, em registro mais dramático, a menina sereia aflita ao conversar com sua avó a respeito das dores de amores e das realidades de quem vive na terra e de quem habita o misterioso e mítico fundo do mar. Uma vez expostas as realidades, a dramaturgia de Mariana Mello e a direção de Eduardo Ramos deixam pairar sobre as cabeças da audiência uma baita interrogação – de como esse material evoluiria a espetáculo, ou não – e se desobrigam da mensagem ou da moral fabular nessa história tão próxima e tão longe. (Valmir Santos)


A criação da Setra Companhia desconstroi fábula de Andersen } Elenize Dezgeniski

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…