Pular para o conteúdo principal

Ganas

Espectadores ativos em 'Irrefreável' } Elenize Dezgeniski

Os protestos de junho de 2013 também despertaram o gigante da hibernação ágrafa. Um mar de reivindicações escritas em papeis sulfite e cartolina como que individualizaram a maneira de veicular as reivindicações que, ao cabo, dizem respeito à massa e cravam indignidade. Renata de Roel e Fernando Proença extraem desse ato público (de colocar a boca no trombone em letras garrafais ou cursivas) a sua dimensão íntima. “Irrefreável” faz da plateia o lugar inverso da representação. Cria um ambiente de afeto, antiespetacular. Os cartazes e as faixas que o ator e a bailarina trazem aos poucos para a beira do palco somam-se a outros papeis em branco nos quais o público é convidado a se expressar a bel-prazer. Canetas hidrográficas, corações recortados e o exercício de encontrar a melhor posição para escrever no chão e depois pendurar sua “arte” na cortina da sala deram – àqueles que se dispõem e àqueles que contemplam – uma passagem para as lembranças dos primeiros anos escolares, quando as noções de liberdade e independência começam a ser delineadas. A experiência dá ganas de o sujeito refutar a sujeição, uma boa premissa cidadã. A certa altura, uma faixa desfraldada traz os seguintes dizeres em espanhol, pinçados da prosa poética da multiartista estadunidense Patti Smith ao rememorar o amigo e fotógrafo Robert Marpplethorpe (1946-1989) no livro “The Coral Sea" (“O Mar de Coral”). Trata-se de uma frase introdutória em que a cantora comenta a resiliência do parceiro preservada nas memórias: “Pero, sobre todo, hablan de su férrea voluntad de vivir, que era irrefrenable, incluso en la muerte”. A cena de Fernando e Renata inscreve um convívio laboratorial provisório. Os códigos elementares surpreendem por não derivarem das laias reconhecíveis das artes cênicas, ainda que delas a bailarina e o ator sejam tributários, desfilam os teus “ais” na tensão do existir. (Valmir Santos)


Os cocriadores Renata Roel e Fernando de Proença } Elenize Dezgeniski

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Prêtà-porquê – Cia portátil

A cena da Cia Portátil, assim como a cena que se apresentou logo antes, da Cia 5 cabeças, também atingiu um ponto de relação com o espectador que abre possibilidades para a Mostra agregar um público espontâneo, que não está comprometido com o teatro ou com os integrantes dos grupos que estão se apresentando no evento. O que me parece mais pungente na cena é a presença dos contrastes internos. O humor é simples, declarado, imediato. No entanto, o que chega para o espectador não é só o divertimento, mas um divertimento entrecortado de diversas outras sensações. Um dos contrastes mais visíveis da cena parece ser a instituição da espetacularidade mesmo sem a presença de números propriamente espetaculares. Os signos usados na encenação inscrevem a cena dentro de um contexto que não prevê uma atitude crítica, mas uma exibição de habilidades. O que a cena traz é exatamente o oposto, o deboche do virtuosismo. Assim, a comicidade vem à tona, mas recheada de comentários e de perguntas. A cena

Zona erógena e cócegas

Cena  parte de texto de catalão e é dirigida por André Carreira }  Elenize Dezgeniski Em “Romeu e Julieta”, o frei Lourenço afirma que “Esses prazeres violentos têm finais violentos/ E, em seu triunfo, morrem como o fogo e a pólvora./ Que se consomem quando se beijam”. Para além do fundo histórico e social da tragédia, a impossibilidade da consumação do amor juvenil em Shakespeare talvez nos diga mais sobre a sabotagem dos desejos na contemporaneidade. Um prolongado beijo entre personagens que se dizem irmãos, ele e ela, é um dos múltiplos ruídos propositalmente desestabilizadores em “La Belle Merde”, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea, de Florianópolis. A objetividade científica da forma expositiva vem associada à apresentação de seminário ou conferência que aparenta se passar em sala de convenção ou sala de aula, ainda que sugira a neutralidade de um ambiente com uma cadeira e uma mesa discretas, além da luz invariável. Os atores Lara Matos, Lucas Heymanns e Marco Antoni

Coração acéfalo/Boca desgarrada - Companhia Subjétil

A cena da Companhia Subjétil apresenta uma característica interessante dentro do contexto da Mostra: a construção da dramaturgia para os sugeridos 15 minutos de apresentação em uma dinâmica coerente com a utilização do tempo. Na maior parte das outras cenas assistidas até agora, mesmo nas que foram pensadas especificamente para a Mostra, a duração ficou um pouco marcada como uma premissa externa – seja por insuficiência de tempo para que o espectador encontre um fio condutor para si, seja por uma tentativa de preencher os quinze minutos com o maior número possível de signos. “Coração acéfalo/Boca desgarrada” tem uma cadência própria. Em outras apresentações, os 15 minutos foram divididos em mais de uma cena, às vezes cada uma com uma tônica diferente. Isso não é necessariamente um problema, afinal a Mostra abre possibilidades para uma variedade de propostas, mas dentro de um horizonte de convivência, me pareceu que essa particularidade da cena da Companhia Subjétil fez uma diferença