Pular para o conteúdo principal

Coação

Leonarda Glück é Loretta Strong } Elenize Dezgeniski

Assim como o plástico bolha permite múltiplos formatos para proteger ou isolar, o imaginário de Copi corre solto e célere em seus escritos ou cartuns. “Loretta Strong” (1974) é exemplar dessa dramaturgia transgressora nas ideias e nas escolhas estéticas, grávida de entradas e saídas. Quando a atriz Leonarda Glück pisa as bolhinhas de ar prensadas que desprendem do figurino, vão ao chão e enroscam em seu bota, ela materializa os estalos gerados em nossa recepção. O texto é ponto de partida para a cena “Betelgeuse”, mesmo nome da estrela mais brilhantes da constelação de Órion, um dos refugos da cosmonauta Loretta. A figura está acuada diante da invasão de sua nave espacial, cujo oxigênio foi cortado. A falta de conexão com a Terra a deixa ainda mais desesperada. O planeta também foi pelos ares. Esse tom apocalíptico é apenas a ponta do iceberg. Ratos, morcegos, geladeiras e barras de ouro podem penetrar a vagina da protagonista sob repulsa, “refecundar” os monstros da direta moral, filhote do reacionarismo econômico que consumiram os terráqueos. A ficção, mais uma vez, desassombra. Essas variações da ordem do absurdo são performadas com placidez, excentricidade e método por Leonarda, dirigida por Gabriel Machado. Ela flutua desenvolta o jorro de situações, fala aos universos paralelos enquanto controla o próprio a todo custo. A cabeleira prateada, a paródia de show de auditório (à la Xuxa) ou de número musical, a reverência com que é tratada pelos patners de smoking e o assédio da imprensa sensacionalista são algumas das lâminas desse painel hilariante. O excessivo tratamento espetacular – como se em busca da imagem totalizante que já borbulha na narrativa em poliedro de Copi – não macula o furor da comicidade e timing da atriz. E nesta criação da Selvática Ações Artísticas reverberam, subjacentes, as sequelas do isolamento e do medo. A coação é uma velha conhecida do continente latino-americano e está na desordem dos dias brasileiros. (Valmir Santos)


A ficção desassombra na cena que saúda Copi } Elenize Dezgeniski

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…