Pular para o conteúdo principal

Concha acústica

Ao fundo, Luana Raiter puxa o fio da meada da cena } Elenize Dezgeniski

A estudante Alice, de 11 anos, sempre viu a arte da performance (e por extensão, das coirmãs dança e teatro) sob intempéries. O vento, o sol, a garoa e até possivelmente as nuvens já influenciaram sua maneira de relacionar-se com os artifícios da cena que os pais, a performer Luana Raiter e o diretor Pedro Bennaton, plantam em seus trabalhos criativos desde que ela se conhece por gente, quer na cidade aonde vive, Florianópolis, quer em circulação. “Essa fumaça é normal”, perguntou Alice na noite anterior, diante da propagação de gelo seco vindo do fundo do palco, sentada ao lado do jornalista na plateia do Teatro Zé Maria Santos. O lugar a partir de onde se vê, na perspectiva da definição milenar – eis o lugar recém-descoberto pela filha dos também dramaturgos do ERRO Grupo. Ele tem quatro anos a mais, 16, em relação à primogênita que esbanja curiosidade e inteligência imersa nos admiráveis mundos novos que encontrou durante aqueles dias e horas de presença na Mostra Cena Breve Curitiba – A Linguagem dos Grupos de Teatro. E como ela, Luana e Pedro estão em pleno estágio de reconhecimento de outras mediações com o espaço da cena, agora instigados a experimentar um teto que não o céu costumeiro. “Exercícios Para Dias de Chuva: Conversa Mamífera” estimulou o público a sentar no palco e lá celebrou seu intento: colocar uma historia pessoal na roda – no caso, um aglomerado de dezenas – de modo a suscitar entre os ouvintes a centelha que despertasse o desejo de compartilhar fatias de vida. A performer contou o quão fora afetada ao assistir a um documentário televisivo sobre o mundo animal e deparar com a resistência e o instinto de sobrevivência de uma leoparda no meio do mato. Instaura-se a não representatividade, elogia-se o ato de narrar – “O importante é falar de você”, chega a dizer Luana. E logo pipocam vozes contaminadas pela dinâmica. Uma das mais tocantes foi a do filho que viu sua mãe chorar quando, certa manhã, ao arrumá-lo em criança para ir à escola, perguntou por que a matriarca daquela família empobrecida sempre usava o mesmo vestido. Outra voz, a de um sobrinho, relata o quanto gostava da tia que passou a evitar nos últimos tempos por causa das diferenças de visões políticas no atual panorama do país. Em suma, sob o risco de descontrole da massa retirada de sua zona de conforto, instada a ir ao chão emblematicamente horizontal e se permitir trocas confessionais, o ERRO extrai dessa ação o milagre da onda propagada pela pedrinha atirada ao lago. A conquista da atenção e da escuta ativa em ambiente informal é uma das raridades em nossos dias líquidos. O elementar se precipita com mais substância quando aqueles que o ambicionam já gastaram muita sola na estrada e na cachola. (Valmir Santos)

A cozinheira Flor (esquerda) convida o público para ir ao seu bistrô } Elenize Dezgeniski

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…