Pular para o conteúdo principal

Consonância e separação

Janaina e Linhares, ela e ele
Foto: Lidia Ueta


Por Valmir Santos

A Súbita Companhia de Teatro ergue uma cena francamente verborrágica sobre o indizível. A palavra é veemente desde o título: Meus Olhos Estão Degringolando, adaptação da diretora Maíra Lour para texto não informado do romancista americano Jonathan Safren Foer. O verbo também está no coração da vida incomum de um casal sob o mesmo teto, partilhando a mesma máquina de escrever e separados por muros, corredores, demarcações territoriais de “algo” e “nada” equilibrados segundo as convenções desse homem e dessa mulher, por Otavio Linhares e Janaina Matter.

Os signos constitutivos da linguagem os fazem suportar um ao outro. Seria, grosso modo, a evolução de uma história de amor, sua ascensão e queda. A compressão temporal e espacial é feita de falas curtas, numa espiral de exasperação dele, escritor estancado, diante do talento dela ao jorrar e apropriar-se do mesmo ofício. A cena trata dessa perpendicular de duas pessoas desmagnetizadas aos poucos, ampliando as distâncias.

No espaço austero da encenação, linhas e embaraçamentos geográficos traduzem as inquietações em movimentos, gestos e ações dos atores, fluídos e interrompidos. À tessitura da palavra soma-se o vocabulário da luz (sombras narradoras de situações íntimas, por Daniele Régis) e da música como exceção ao silêncio dominante (o acordeão irrompendo com a dolência de Edith de Camargo). Toda separação precipita sua sinfonia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A experiência do feminino

por Luciana Romagnolli Do mito evocado na cena “As Tetas de Tirésias – Jaculatória para Comer um Coração Paternal” emerge a disputa de gêneros centrada na experiência de ser mulher. Na tradição grega, Tirésias é o homem transformado em mulher ao matar uma cobra-fêmea, para então retornar como homem após matar uma macho. Por sua vivência única dos dois gêneros, é incitado pelos deuses a afirmar de qual é a supremacia no gozo. Ao responder que feminina, causa a ira de Hera, que o cega, mas por Zeus é compensado com o dom da profecia.
Na criação do grupo Estábulo de Luxo, esse arquétipo transexual ressurge liberto de um enredo trágico, nutrindo o imaginário das figuras representadas pelas duas atrizes – Guaraci Martins e Danielle Campos. O feminino triunfa em seu aspecto agressivo, de uma potência de morte e revolução. Aludindo à Maria Bonita, Danielle carrega a imagem de uma mulher com a brutalidade do cangaço e a sensualidade/maternidade de um seio pendendo nu. Atravessa o corredor da…

Looners – Elenco de ouro

“Looners”, a cena do Elenco de ouro, parece ter abandonado um pouco, de um modo geral, o ponto de partida apontado no título, mas a referência aparece na cenografia: à frente de um fundo branco, um grande arco de balões vermelhos e brancos; em cena, uma gueixa. Assim, a cena associa a imagem do balão com uma imagem de fetiche. Mas os “looners” (pessoas que se excitam com balões de látex) ficam um pouco de lado.

Na cena, a gueixa faz uma coreografia enquanto uma voz masculina fala em off. O humor obscuro da cena como um todo é prejudicado pelo tom desta voz em off, que mostra que o autor do discurso carrega os seus questionamentos mais como um fardo, do que como uma bagagem. A voz do ventríloquo, aquela voz que fala através de uma imagem muda, é interessante quando ela se entorta nesse trânsito entre imagem e fala. Na cena em questão, há uma separação entre imagem e fala, elas não se contaminam.

Um outro ponto que pode ser apontado é o teor do texto gravado. A lida com conceitos e referê…

Jogo de cena de uma travesti

por Luciana Romagnolli


Em junho, quando Pedro Silveira apresentou a cena "Trajetória PL" em Belo Horizonte, no Festival de Cenas Curtas do Galpão Cine Horto, escrevi o seguinte texto, que considero ainda válido para esta 8ª Mostra Cena Breve:

Trajetória ‘PL’, de Brasília, se apresenta como o relato documental de uma jovem travesti que resolve encenar sua própria história após vê-la narrada em uma montagem teatral por um ator profissional. O jogo de cena se estabelece, confundindo qual seria exatamente a relação do ator que vemos no palco – Pedro Silveira, dirigido por Fernando Villar – com a biografia que conta.
Insinua-se o borramento do limite entre realidade e ficção, reforçado pela fala coloquial e pretensamente espontânea, acompanhada de meticuloso gestual, igualmente calculado para parecer natural. O paradoxo está aí: quanto mais a cena convence como registro documental ou hiperrealista, mais se estabelece a ilusão.
Sozinha diante de uma plateia que supostamente lhe faz p…