Pular para o conteúdo principal

Logorreia

Cena de Apple Store...
Foto: Lidia Ueta


Por Valmir Santos

O império do acaso bem combinado. Na era digital absoluta, o núcleo Expressão Criação captura o aleatório para a sua rede organizada no amontoado de informações. O espaço cênico vira uma globosfera surrealista com suas distorções que não estão na tela, mas na teia de cena, na logorreia de frases desconexas que ao final se arranjam. Um sujeito de perna cortada e carregada a tiracolo. A loira de vestido longo e falas sentenciosas sobre artes e exposições. O infomaníaco com suas decifrações do sistema. Uma sapa vestida de noiva, vermelho dos pés à cabeça de grinaldas antenadas.

Em meio à aparentemente despretensão, na xepa de frutas decepadas, seus sumos a perfumar o ambiente, Apple Store & As Subfrutas da Estação destila humor parafraseado por imagens pinceladas na paródia. Serve-se da memória epistolar de dois nomes-chave da arte contemporânea brasileira, Lygia Clark e Hélio Oiticica. São excertos de cartas lançados ao liquidificador para abrir outras janelas que possam revelar outras faces do presente de fronteiras diluídas.

Há irreverência e certa iconoclastia emprestada dos artistas plásticos reverenciados nessa proposta que o grupo ambiciona configurar espetáculo futuramente. O que se vê condensado em cena curta é uma provocação bem fundamentada do tema abordado e sua complexidade natural, mitificada ainda sob a personalidade de Steve Jobs, o fetiche por tablets e afins. Resta muita dispersão no material disposto, mas o prenúncio de uma real conexão com o público já está lançado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Zona erógena e cócegas

Em “Romeu e Julieta”, o frei Lourenço afirma que “Esses prazeres violentos têm finais violentos/ E, em seu triunfo, morrem como o fogo e a pólvora./ Que se consomem quando se beijam”. Para além do fundo histórico e social da tragédia, a impossibilidade da consumação do amor juvenil em Shakespeare talvez nos diga mais sobre a sabotagem dos desejos na contemporaneidade. Um prolongado beijo entre personagens que se dizem irmãos, ele e ela, é um dos múltiplos ruídos propositalmente desestabilizadores em “La Belle Merde”, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea, de Florianópolis. A objetividade científica da forma expositiva vem associada à apresentação de seminário ou conferência que aparenta se passar em sala de convenção ou sala de aula, ainda que sugira a neutralidade de um ambiente com uma cadeira e uma mesa discretas, além da luz invariável. Os atores Lara Matos, Lucas Heymanns e Marco Antonio Oliveira surgem alinhados à boca de cena. Têm atrás de si banners que exibem corpos nus …

Desencanto vital

Nem a fascinação nem a resignação. “Essa é a nossa linguagem!”, alguém avisa. O caminho do meio expandido e forrado de aptidões possíveis. A ação cênica “Outros Sobreviventes”, do Coletivo Mamulengos de Mameluri, mergulha no vale dos vácuos desencantados e de lá processa a capacidade de resiliência em produzir transformação, moto-contínuo de quem lida com arte. Há um pendor cumulativo na capacidade gregária de atrair trabalhadores cênicos de outros grupos de Curitiba e fazer do palco o seu terreno baldio a ser ocupado por/de figuras estranhas, objetos de filiações as mais diversas (livros, sofás, galões, figurinos soltos, etc.). Não deixa de ser uma demarcação para libertar-se daquilo que te prende: o teatro. Sobretudo seu desenho físico gerador de expectativas amortecidas, ou assim alimentadas pela maioria conformista daqueles que o habitam provisoriamente, independente da natureza arquitetônica do espaço. Desse amontoado em desordem crescente migramos para outras percepções. Há uma …