Pular para o conteúdo principal

Documento encenado

Tallita Braga e Andréia Quaresma (fundo)
Foto: Elenize Dezgeniski


Por Valmir Santos

A cena As Rosas no Jardim de Zula é um exemplo da interposição do real com a ficção, um procedimento que é caro ao cinema nacional, principalmente ao documentarista Eduardo Coutinho – ele que, não por acaso, anda às voltas com recursos da teatralidade em seus filmes. A criação coletiva traz à tona a história de uma mulher que exerceu a prostituição. Zula teve várias histórias de amor com suas amigas de trabalho e, certo dia, decidiu se casar com um mecânico e ter filhos, entre eles a atriz Talita Braga, que assume o fundo autobiográfico na dramaturgia coordenada por Sérgio Abritta.

Seguindo o raciocínio a partir da cena, a mãe foi entrevistado pela equipe de criação, conforme declarações na voz em “off” ou nas imagens exibidas no desfecho. Esse estado de ser ou não ser vai descamando durante a apresentação de forma suave, ainda que sua temática seja dura, contundente ao tratar do amor lésbico e sua afirmação – ou seja, a sua perseguição e preconceito nos ambientes e cotidianos de um bordel. Às misérias materiais são costuradas as migalhas afetivas, o terreno da diversidade raramente visitado nas pesquisas sociológicas de campo.

O realismo dominante nas falas, cenários e objetos, como o varal de roupas estendidas e uma faca, e a interpretação na chave da mimese corporal e vocal das personagens vividas por Andréia Quaresma e Talita, essas instâncias chapadas, digamos assim, convivem com uma atmosfera onírica conciliada pelas fotografias projetadas do passado.

Na primeira sessão dentro da Mostra Cena Breve, ambas demonstraram o mesmo registro brejeiro de atuação na estreia da cena cinco meses atrás, em Belo Horizonte. Acanhamento na hora do beijo ou de despir-se para colocar o vestido de noiva, por exemplo. Um “desnudamento” que talvez a própria Talita tenha que fazer quanto a sua filiação nessa corajosa história transposta para palco. Há senões no excesso de condução pela trilha musical, muleta emocional, e na brusquidão de uma sequência à outra. De qualquer modo, as atrizes constroem gestos e tempos que conformam uma poética para os flashes da descoberta do desejo na perspectiva romântica da mulher que atravessou escuridões e em alguns momentos encontrou luz no final do túnel, como relatou. A emoção de lidar é valorizada na cena. A inscrição “universo” na camiseta da Zula real entrevistada em vídeo expressa o tamanho do desafio ao qual a equipe se propôs.

Alinhar ao centro
Talita Braga em As Rosas no Jardim de Zula
Foto: Elenize Dezgeniski


Observação: texto reescrito a partir das impressões anotadas na apresentação de As Rosas no Jardim de Zula, em junho de 2011, no âmbito do 12º Festival Cenas Curtas organizado pelo Galpão Cine Horto em Belo Horizonte.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Zona erógena e cócegas

Em “Romeu e Julieta”, o frei Lourenço afirma que “Esses prazeres violentos têm finais violentos/ E, em seu triunfo, morrem como o fogo e a pólvora./ Que se consomem quando se beijam”. Para além do fundo histórico e social da tragédia, a impossibilidade da consumação do amor juvenil em Shakespeare talvez nos diga mais sobre a sabotagem dos desejos na contemporaneidade. Um prolongado beijo entre personagens que se dizem irmãos, ele e ela, é um dos múltiplos ruídos propositalmente desestabilizadores em “La Belle Merde”, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea, de Florianópolis. A objetividade científica da forma expositiva vem associada à apresentação de seminário ou conferência que aparenta se passar em sala de convenção ou sala de aula, ainda que sugira a neutralidade de um ambiente com uma cadeira e uma mesa discretas, além da luz invariável. Os atores Lara Matos, Lucas Heymanns e Marco Antonio Oliveira surgem alinhados à boca de cena. Têm atrás de si banners que exibem corpos nus …

Desencanto vital

Nem a fascinação nem a resignação. “Essa é a nossa linguagem!”, alguém avisa. O caminho do meio expandido e forrado de aptidões possíveis. A ação cênica “Outros Sobreviventes”, do Coletivo Mamulengos de Mameluri, mergulha no vale dos vácuos desencantados e de lá processa a capacidade de resiliência em produzir transformação, moto-contínuo de quem lida com arte. Há um pendor cumulativo na capacidade gregária de atrair trabalhadores cênicos de outros grupos de Curitiba e fazer do palco o seu terreno baldio a ser ocupado por/de figuras estranhas, objetos de filiações as mais diversas (livros, sofás, galões, figurinos soltos, etc.). Não deixa de ser uma demarcação para libertar-se daquilo que te prende: o teatro. Sobretudo seu desenho físico gerador de expectativas amortecidas, ou assim alimentadas pela maioria conformista daqueles que o habitam provisoriamente, independente da natureza arquitetônica do espaço. Desse amontoado em desordem crescente migramos para outras percepções. Há uma …