Pular para o conteúdo principal

Que seja doce


Fotos: Elenize Dezgeniski
Cenas de Quebre seu porquinho, criação do Teatro Albatroz, de Belo Horizonte, inspirada em Caio Fernando Abreu


Belo Horizonte tem preenchido capítulo à parte no teatro destes anos zero-zero. Há uma geração de criadores, não necessariamente novos em termos cronológicos da vida, que se aventuram em trabalhos pontuados pelo despojamento nos recursos da cena, uma reinvenção muito peculiar da escrita expandida para além da palavra e a eleição de temas às vezes extremamente singelos e mobilizadores.


Recém-ingressadas no grupo Teatro Albatroz, este com anos de estrada, as atrizes Júlia Branco e Ludmila Ramos se aproximam dessa leva com a cena Quebre seu porquinho, destacada no Festival Cenas Curtas do Galpão Cine Horto, um ano atrás. Ao lado de Wester de Castro, que assina dramaturgia e co-direção com as mesmas, elas tomaram um conto de Caio Fernando Abreu como ponto de partida, Para uma avenca partindo, com atalhos para Julio Cortázar ou mesmo depoimento pessoal.


Movidas pelo “intangível” reafirmado a todo instante na estrutura narrativa em forma de carta endereçada por Caio, a dupla valoriza as ações físicas, às vezes demais da conta, diga-se, no afã de preencher vazios que são inerentes ao conto-motriz. Não que os silêncios, os respiros e os choros sejam alijados, eles refletem o sentimento do abandono e aqui estão contextualizados. Há um ônibus a sair, alguém na plataforma, alguém sentado lá dentro, pode-se supor. Uma e Outra, as vozes partidas do ser, deslizam pela parede do poço desse amor em desenlace, mas com direito a gerar fusões faladas mais por meio do corpo do que por meio da língua.


Quando porquinhos despencam do alto, impossível não recordar os abacates voadores em Por elise, do grupo Espanca!, também embrionário de uma cena breve. É nessa reta final que Quebre seu porquinho contorna melhor a falta de economia gestual. A luz densa, o gelo-seco suave, os pedaços de porquinhos de gessos que forram o chão e as duas intérpretes que caminham lentamente em direção opostas, saindo do palco, configuram a cerimônia de adeus a que testemunhamos.


Pensando bem, Quebre seu porquinho não é um bom título. A remissão ao animal imundo parece contraditória a tudo que se jogou nessa história (abre para leituras de um cofrinho, da mais-valia nas relações, do vil metal). E há uma fixação em replicar os porquinhos em cena, a ponto de uma das atrizes contracenar com ele quase como que medindo o focinho. Sei não. Fica unilateral. A baixeza, o mau-caratismo daqueles que se vão precisam ser descritos assim mesmo?


Aliás, no debate do dia seguinte, Francisco Medeiros, que dirigiu Encontros com Caio Fernando Abreu em 2006 no Núcleo Experimental do Teatro Popular do Sesi, em São Paulo, comentou que o seu ponto de vista sobre esse conto é o da perpetuação do encontro, e não o da despedida, apesar da distância física que a partir dali é concretiza.


Em tempo: a também mineira Companhia Luna Lunera criou um Caio memorável recentemente, Aqueles dois, espetáculo-conto atualmente em cartaz no Sesc Avenida Paulista.


Comentários

Júlia disse…
O porquinho não me passa essa imagem de sujeira e mau-caratismo, mas é um sĩmbolo forte de tudo que depositamos, guardamos e esquecemos lá, não vemos mais. Da dificuldade de quebrarmos essa embalagem dura que guarda o não-realizado, o não-dito. Tbm pensei na hora nos abacates do Por Elise... Que venham mais e mais mineiros nos mostrar o trabalho lindo que têm feito!
Julie de Pádua disse…
Gostei muito mesmo dessa cena, infelizmente quase não tenho ido ao teatro e perco muitaaa coisa. Mas já foi muito gratificante ver essas duas belas atrizes no palco. Amei de paixão o texto !!!
Parabéns a elas e aos organizadores da Mostra !
Júlia,
gratos pela sua colaboração. e por ampliar horizontes.
então é um pouco do que canta Lenise: "Se na cabeça do homem tem um porão/ Onde moram o instinto e a repressão/ O que tem no sótão?"
nosso abraço!
Julie,
nossa arte é feita desses encontros, únicos e plenos de significados no coração de cada um, no palco ou na platéia.
nosso abraço!
Júlia Branco (atriz de "Quebre o seu Porquinho") disse…
Fico muito feliz com os comentários, com a crítica e com a oportunidade de apresentar em Curitiba!
Espero voltar muito em breve!

Obrigada.

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…