Pular para o conteúdo principal

Aberração

foto: Elenize Dezgeniski
Cena de A besta fera, com o Teatro Jabuti, de Florianópolis



O Teatro Jabuti, que tem doze anos de atividades em Florianópolis, apresentou uma cena, ou melhor, um número de circo que destoou do conjunto da Mostra até aqui. Constrangeu com seu pouco jogo de cintura para lidar com o universo circense a que se propunha, visto com muita estreiteza, e ainda por cima flertar com o teatro de rua, que tampouco disse a que veio num palco italiano. A besta fera resultou uma coleção de equívocos.

Nem o nariz-de-palhaço demove o domador/apresentador da falta de empatia, ao lado da musicista que toca acordeão e pandeiro. A fera anunciada é um boneco de Jabuti com um cabeção, um casco agigantado e de todo mal-ajambrado na operação de dois manipuladores, “visíveis” o tempo todo, num registro grosso do que se espera minimamente do teatro de animação.

A premissa é boa, vá lá. A cena prepara com suspense a chegada do animal, a grande atração daquelas lonas. Poucos minutos depois de revelá-lo, porém, o roteiro desanda, não convence no antagonismo do título que tenta sugerir naquela relação de forças homem-animal. A fragilidade se impõe, principalmente nos parcos recursos dos intérpretes, tornando o tempo mais arrastado – e não por culpa dos passos até acelerados do pobre jabuti.

Dia desses, assisti ao filme O homem elefante, de David Lynch, todo rodado em preto-e-branco, em que visita a exploração das deformidades de um homem sem cair no sensacionalismo de expor o personagem em closes ou afins. O horror transparece mais pelo olhar do outro. Faquires em camas de prego e outros artistas da fome, freaks, aberrações, laivos de uma Revolução dos bichos, nada disso foi visitado em A besta fera, mas deu o que pensar nessas alternativas, nessas leituras que, quem sabe, levasse o Teatro Jabuti a um projeto experimental mais consistente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…