Pular para o conteúdo principal

Da longa jornada


fotos: Elenize Dezgeniski
No alto, os artistas da CiaSenhas, idealizadora da Mostra; acima, uma das rodas de debate que refletiram sobre as cenas apresentadas na noite anterior


Foram seis noites de convivência, da mesa-redonda de abertura, ao lado de Francisco Medeiros e Claudia Schapira, às quatro noites com três cenas cada uma, 12 trabalhos de variados estilos, estéticas, temperamentos, éticas, atitudes, poéticas, desejos etc., somando-se a noite derradeira, com uma cena convidada de Belo Horizonte seguida da conversa com Chico Pelúcio, o pacote completo da IV Mostra Cena Breve Curitiba – A Linguagem dos Grupos de Teatro permitiu-me um primeiro contato efetivo com a ferramenta do blog. Deu para notar certa "lentidão" nos posts, a falta de timming.

Permitiu-me ainda a proximidade com o universo das chamadas cenas curtas, dos 15 minutos de teto a que muitas produções simplesmente ignoraram. Aliás, o Leonardo Lessa, do Galpão Cine Horto e do grupo Teatro Invertido, contou que, lá em Belo Horizonte, o Festival de Cenas Curtas chegou a radicalizar pondo um relógio vistoso, suspenso no palco, para que os desavisados não avançassem além da conta.

Resultou, portanto, uma longa jornada de aprendizado com os saberes dos Chicos, do Walter Lima Torres, da Cinthia Kunifas, dos coletivos participantes e suas pulsações de amador, no melhor sentido, que muitas vezes falta a alguns profissionais. E, por fim, dos saberes de toda a equipe da CiaSenhas empenhada a dar a cara a bater, porque só ela sabe a dor e a delícia de levar esse projeto adiante - e receber carinho, pois também somos feitos de afeto.

Acompanho a CiaSenhas desde Devorateme, em 2002, e é arejador vislumbrar o seu avanço e o dos seus pares na produção teatral da cidade, a autonomia de vôo e de risco. É isso que possibilita articulações como a do recém-nascido Movimento de Teatro de Grupo de Curitiba, ainda engatinhando, mas com potencial para vingar e dizer a que veio.

Não pude ir a todas, mas as rodas de debate das quais participei, na sede da companhia, foram igualmente proveitosas diante da generosidade de todos em exercer a arte da escuta, de regar a crítica e a autocrítica sem que se desqualifique o outro.

Dessa convergência dos diferentes, talvez a discussão fosse mais frutífera se acolhesse apenas dois debatedores por vez. A experiência intui que, na terceira voz, o rendimento é menor ou redunda aquilo que os demais colegas já comentaram. No caso de um duo, contudo, o impacto da terceira visão caberia aos presentes, artistas e público em geral. A roda seria mais estimulada a falar, vislumbraria espaço para cair dentro e ampliar os pontos de vistas.

De minha parte, vindo de 16 anos de escrita em jornal diário, e sempre com a sensação de que ainda estou tateando a crítica, o exercício do blog me fez derrubar um pouco a máscara da dita objetividade jornalística para posicionar-me mais como um mero espectador, um ser privilegiado e instigado a deitar algumas palavras e firmar um encontro de idéias com os artistas e os demais interlocutores.

Antes da despedida, divido uma confissão pública. Um pedido de desculpas ao Chico Medeiros. Anos atrás, endossei o termo pejorativo “mico” a uma das suas criações, nada mais, nada menos que um Hamlet. Foi num balanço de ano para o Guia da Folha, no jornal Folha de S.Paulo. Olhando do hoje, percebo o quanto este repórter pensava pequeno e sucumbiu à ligeireza do ofício que, por vezes, passa feito trator sobre processos artísticos que são mais complexos e sustentáveis do que imaginamos entre as quatro paredes da redação.

É isso. Saudações teatrais a todos. E aquele abraço!

Valmir Santos

Comentários

neto machado disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
neto machado disse…
ola

Gostaria só de postar aqui o passo largo que dá a mostra ao investir nesse terreno virtual..
Estou longe, mas foi com grande carinho que acompanhei por aqui um pouco do que aconteceu nessa semana atribulada em Curitiba.
Este é um pequeno canal, mas com uma importancia grande devido sua abrangencia e acessibilidade. É um exercício de crítica e escrita que pouco se encontra e se pratica.
Muito bacana para o desenvolvimento dos projetos artísticos e da mostra como um todo.


Parabéns Valmir pelo desafio e parabéns de novo a mostra pelo quanto ela consegue propor e interferir no contexto teatral e artístico curitibano.

Bjos para todos

Neto.
Neto,
muito obrigado pelo retorno. foi uma convivência bastante frutífera, e as raízes estão lá na curadoria da qual você também ajudou a fazer. todos aprendemos um pouco mais, e sempre, com essas trocas.
nosso abraço!
júlia disse…
ah gente! muito obrigada por tudo. Ter ido à Curitiba e participado da Mostra foi uma experiência maravilhosa. Espero, de verdade, voltar em breve. E que, em breve, vocês também venham nos visitar aqui em bh.

Um grande abraço em todos!

Júlia Branco
Cena "Quebre seu Porquinho"

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…