Pular para o conteúdo principal

Subversão




fotos: Elenize Dezgeniski
O grotesco, o manifesto e a intervenção do lado de fora do teatro em cenas de Gambiarra, com o grupo Elenco de Ouro, de Curitiba



Nas edições do Festival de Curitiba, o Fringe paralelo costuma ser freqüentado por espetáculos locais que amam abusar do trash, do lixo, um álibi para o grotesco (do qual passam longe) e um atalho para expurgar as fixações com os temas sexuais. Não chegam a agredir, não ambicionam nada além do deboche e da bilheteria, já que a platéia é bastante assídua, infelizmente.

Gambiarra, do Elenco de Ouro, tangencia esse mundinho trash e consegue emergir com mais tutano. A começar pela dramaturgia, de rara extração politizada, a serpentear questões-chave para os brasileiros e, sobretudo, paranaenses que fazem fronteira com o Paraguai, cuja Guerra da Tríplice Aliança é bem lembrada.
A partir do preconceito com o vizinho, o autor e diretor Cleber Braga, que trabalhou com Amir Haddad (grupo Tá na Rua, do Rio), avança para outros estereótipos na construção de imaginários.

De largada, a encenação expõe viés maniqueísta com bandeiras que estampam Che Guevara, de um lado, e o símbolo da Nike, de outro. E consegue ir além dessas oposições estanques, colocando em xeque a língua, o portunhol como uma das gambiarras, dos jeitinhos que nos condenam e nos salvam.

Um dos achados do Elenco de Ouro está na subversão do espaço, com atores ocupando assentos na platéia, feito um de nós, espectadores, e surpreendendo em suas intervenções. Como a da moça que interrompe a ação questionando “quem curou essa porcaria”, mais ou menos nessas palavras, referindo-se com ironia à Mostra que acolhe as fronteiras entre ficção e realidade e é engolida pela mesma ironia criativa desse coletivo.

No desfecho, os artistas vão para a rua e um telão exibe cenas externas pré-gravadas. Ao sair do local, o público observa o elenco de fato na rua, com figurinos, adereços e gritos de guerra carnavalescos. Curitiba tem pouca tradição em teatro de rua. Esse tipo de trabalho cutuca também a aura retraída dos moradores, os vestígios provincianos.

A performance é disparadora a contento, como desejamos de uma cena breve, mas ainda há muito por lapidar nesse Elenco de Ouro. Seus atuadores compõem posturas, olhares e enunciações que dificilmente correspondem à sofisticação das idéias que propagam em relâmpagos poéticos. O agito também é Arte e pede domínio técnico. O ofício sua. Até para desnudar sutilezas no grotesco.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…