Pular para o conteúdo principal

Amarelo banana



fotos: Elenize Dezgeniski
Cena de Av. Pindorama, 171, criação coletiva do Teatro 171, de Belo Horizonte


Coube a um trabalho mineiro o encerramento da Mostra na noite de segunda-feira. Av. Pindorama, 171 foi um dos selecionados este ano para o Festival de Cenas Curtas do Galpão Cine Horto, em Belo Horizonte. O projeto vai para a décima edição em 2009 e, como não poderia deixar de ser, influenciou o formato da Mostra Cena Breve Curitiba idealizada pela CiaSenhas.

O espírito da carnavalização baixou no palco da Caixa Cultural com os “netos da Tropicália” que combinaram, entre outros tons e cores, deboche e crítica social sem cair no discurso. A partir do que se entende por um retrato local, a dramaturgia coletiva e a direção de Henrique Limadre promovem um vôo rasante sobre as periferias metropolitanas do Brasil, tão próximas e tão longes do sistema de moer gente que são os tempos financistas que correm.

Uma estética pobre atravessa figurinos e adereços hiperbólicos, como a espelhar os clichês do que é revestido como popular na cultura brasileira - palavras-chave que por si só dariam o que falar da proposta. Estão lá o camelô, o entregador de pizza, o caminhoneiro e outros tipos. Também há referências aos veículos de comunicação de massa. Mas foge-se do plano das idéias, tão-somente. Imprimi-se musicalidade, bom humor com um quê de Adrubal Trouxe o Trombone, o grupo carioca dos irreverentes anos 70. Aqui, o desbunde não engole a si mesmo, transcende, não disfarça contundência.

O mais instigante é acompanhar como em paralelo ao aparente caos de “subcenas” transcorre a narração de uma tragédia, um atropelamento que abala o pedaço. Certa noção de comunidade é posta em relevo: a capacidade de parodiar desgraças, de perseverar diante das dificuldades, de mobilizar-se quando o calo aperta. Misturam-se também planos da ficção com o que intuímos ser depoimentos pessoais pelos intérpretes-criadores.

Contudo, há uma derrapagem nessa experiência: quando um morador de rua aparece na cena final para colhe bananas espalhadas no asfalto por conta do referido acidente. É uma introdução brevíssima de um não-ator incorporado ao projeto, como a dizer que o real invadiu de fato a cena. O problema é que a concessão põe por água toda a plataforma artística erguida até ali para dar um recado com muita criatividade e fundamento.

O público não sabia que esse integrante era um morador de rua de fato na capital mineira. E por que uma participação de segundos? Proporcional à sua “invisibilidade” social ou reafirmação da mesma por meio do teatro, o que é mais gritante? A passagem lembra situação parecida sobre a qual discorremos no projeto da Companhia Silenciosa. Fica no ar: qual o limite dessa “incorporação”, se é que podemos pensar assim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…