Pular para o conteúdo principal

Molduras abertas

fotos: Elenize Dezgeniski
Cenas do projeto Monocromo biográfico, com a Barridos da Cena, de Curitiba


Seja diante da tela em branco, seja do palco nu, o drama é o mesmo: como preenchê-los? Monocromo biográfico arrisca-se a promover interface entre as artes cênicas e visuais. E o resultado desse experimento é estimulante. Consegue a proeza de expor conceitos que são testados no próprio percurso com o espectador, transmitindo a sensação de obra aberta. Só que a interação já está prevista nas plataformas das dramaturgias que aplica: a palavra em cena e o vídeo documentário na tela.


O performer Clovis Cunha também dirigiu, concebeu o projeto e co-assinou o texto com Giovana Salles Gregório, ambos integrantes do grupo Barridos da Cena. Ele entrecruza a pintura dominantemente azul do francês Yves Klein, cujos “monocromos” teve a chance de acompanhar numa das edições da Bienal de Artes de São Paulo, com os heróis de HQ Quarteto fantástico e com sua própria condição pessoal de artista. Daí o plano biográfico, mas não ao pé da letra. Desnuda-se da masculinidade com a qual foi forjado para meter-se em outra pele. Na era da superexposição, do aparecer a ofuscar o ser, o nu artístico confronta o artístico do nu. E sem histerismo moral.


Essas texturas tinham prato cheio para serem herméticas. No entanto, acompanhamos o trabalho com entusiasmo pelo cuidado com que é exposto, pelos enigmas que propõe sem escantear o público. Isso desde o saguão do teatro, quando Clovis avança entre os presentes com a parte superior do corpo vestida em saco de lixo azul. É esse “personagem” misterioso que veremos em ação no sofá branco, em movimentos e narrações diretas que dialogam com o conteúdo audiovisual da tela.


A partir daí, instaura-se a viagem com paródias pontuais, como a marcação do tempo de “15 minutos” no vídeo, numa referência à Mostra, a sugerir que haverá contagem regressiva, mas esse “controle” logo é sabotado. Os segmentos ficcionalizados ao vivo soam mais frágeis sob a capa de um herói de quadrinhos, talvez porque predisponham à “interpretação”, à máscara do “personagem”.


Seguimos essas camadas do que é falso ou verdadeiro, de manipulação clara dos materiais disponíveis (esse código transparece o tempo todo para o espectador, mesmo quando nas enquetes do filme “biográfico”, o que denota postura ética dos artistas envolvidos), numa sobreposição de planos que emendam inquietações existenciais e relativas ao ato criador. Um experimento que contagia.

Comentários

Júlia disse…
Ainda achei a cena bastante hermética, mas seu texto joga luz sobre ela.
Maravilha, Júlia.
o teatro é matéria prisma: cada raio reflete conforme o olho de quem vê e sente...
nosso abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Zona erógena e cócegas

Em “Romeu e Julieta”, o frei Lourenço afirma que “Esses prazeres violentos têm finais violentos/ E, em seu triunfo, morrem como o fogo e a pólvora./ Que se consomem quando se beijam”. Para além do fundo histórico e social da tragédia, a impossibilidade da consumação do amor juvenil em Shakespeare talvez nos diga mais sobre a sabotagem dos desejos na contemporaneidade. Um prolongado beijo entre personagens que se dizem irmãos, ele e ela, é um dos múltiplos ruídos propositalmente desestabilizadores em “La Belle Merde”, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea, de Florianópolis. A objetividade científica da forma expositiva vem associada à apresentação de seminário ou conferência que aparenta se passar em sala de convenção ou sala de aula, ainda que sugira a neutralidade de um ambiente com uma cadeira e uma mesa discretas, além da luz invariável. Os atores Lara Matos, Lucas Heymanns e Marco Antonio Oliveira surgem alinhados à boca de cena. Têm atrás de si banners que exibem corpos nus …

Desencanto vital

Nem a fascinação nem a resignação. “Essa é a nossa linguagem!”, alguém avisa. O caminho do meio expandido e forrado de aptidões possíveis. A ação cênica “Outros Sobreviventes”, do Coletivo Mamulengos de Mameluri, mergulha no vale dos vácuos desencantados e de lá processa a capacidade de resiliência em produzir transformação, moto-contínuo de quem lida com arte. Há um pendor cumulativo na capacidade gregária de atrair trabalhadores cênicos de outros grupos de Curitiba e fazer do palco o seu terreno baldio a ser ocupado por/de figuras estranhas, objetos de filiações as mais diversas (livros, sofás, galões, figurinos soltos, etc.). Não deixa de ser uma demarcação para libertar-se daquilo que te prende: o teatro. Sobretudo seu desenho físico gerador de expectativas amortecidas, ou assim alimentadas pela maioria conformista daqueles que o habitam provisoriamente, independente da natureza arquitetônica do espaço. Desse amontoado em desordem crescente migramos para outras percepções. Há uma …