Pular para o conteúdo principal

Inconsonância

foto: Elenize Dezgeniski
Rosana Stavis em cena de Árvores abatidas, com a Marcos Damasceno Cia. de Teatro


Foi a chance deste moço, finalmente, ver Rosana Stavis em atuação mais desbragada, de registro cômico ou tragicômico, um alívio depois de acompanhá-la em mergulhos profundos como no drama Psicose 4h48, de Sarah Kane, ou mesmo no recente Sonata de outono, de Jon Fosse, atualmente em cartaz em São Paulo, no Coletivo Fábrica.

A interpretação esbanja o domínio técnico para transitar de uma nota vocal à outra na hora de cantar, bem como equilibrar-se na variação de humores da corrosiva, triste e hilária figura da protagonista da história inspirada na obra homônima de Thomas Bernhard, Árvores abatidas.

A cena deu a sensação de que avançou para quase a íntegra do texto, e aí acho que o diretor Marcos Damasceno, que também assina adaptação, talvez não devesse ter mostrado exatamente um projeto pronto, ou quase lá, no âmbito experimental do que me parece ser esta Mostra.

Acompanho-o há tempos, sei do talento, da consistência e da seriedade com que leva adiante o seu projeto artístico, a ponto de manter um espaço no quintal da casa que aluga em Curitiba. Mas, na noite de ontem, Árvores abatidas soou como uma partitura completa, em que a presença da Rosana, do violinista Roger Vaz, de um texto que evoca Bernhard e do encenador nos bastidores nos condiciona para uma apresentação profissional.

Seria mais pertinente incorrer em algum experimento, algo mais inseguro, disforme e não tão consistente quanto o são a base de tudo aquilo que essa companhia vem apresentando nos palcos da sua cidade e do país. É paradoxal, mas é isso, no aqui da Mostra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Zona erógena e cócegas

Em “Romeu e Julieta”, o frei Lourenço afirma que “Esses prazeres violentos têm finais violentos/ E, em seu triunfo, morrem como o fogo e a pólvora./ Que se consomem quando se beijam”. Para além do fundo histórico e social da tragédia, a impossibilidade da consumação do amor juvenil em Shakespeare talvez nos diga mais sobre a sabotagem dos desejos na contemporaneidade. Um prolongado beijo entre personagens que se dizem irmãos, ele e ela, é um dos múltiplos ruídos propositalmente desestabilizadores em “La Belle Merde”, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea, de Florianópolis. A objetividade científica da forma expositiva vem associada à apresentação de seminário ou conferência que aparenta se passar em sala de convenção ou sala de aula, ainda que sugira a neutralidade de um ambiente com uma cadeira e uma mesa discretas, além da luz invariável. Os atores Lara Matos, Lucas Heymanns e Marco Antonio Oliveira surgem alinhados à boca de cena. Têm atrás de si banners que exibem corpos nus …

Desencanto vital

Nem a fascinação nem a resignação. “Essa é a nossa linguagem!”, alguém avisa. O caminho do meio expandido e forrado de aptidões possíveis. A ação cênica “Outros Sobreviventes”, do Coletivo Mamulengos de Mameluri, mergulha no vale dos vácuos desencantados e de lá processa a capacidade de resiliência em produzir transformação, moto-contínuo de quem lida com arte. Há um pendor cumulativo na capacidade gregária de atrair trabalhadores cênicos de outros grupos de Curitiba e fazer do palco o seu terreno baldio a ser ocupado por/de figuras estranhas, objetos de filiações as mais diversas (livros, sofás, galões, figurinos soltos, etc.). Não deixa de ser uma demarcação para libertar-se daquilo que te prende: o teatro. Sobretudo seu desenho físico gerador de expectativas amortecidas, ou assim alimentadas pela maioria conformista daqueles que o habitam provisoriamente, independente da natureza arquitetônica do espaço. Desse amontoado em desordem crescente migramos para outras percepções. Há uma …