Pular para o conteúdo principal

Inconsonância

foto: Elenize Dezgeniski
Rosana Stavis em cena de Árvores abatidas, com a Marcos Damasceno Cia. de Teatro


Foi a chance deste moço, finalmente, ver Rosana Stavis em atuação mais desbragada, de registro cômico ou tragicômico, um alívio depois de acompanhá-la em mergulhos profundos como no drama Psicose 4h48, de Sarah Kane, ou mesmo no recente Sonata de outono, de Jon Fosse, atualmente em cartaz em São Paulo, no Coletivo Fábrica.

A interpretação esbanja o domínio técnico para transitar de uma nota vocal à outra na hora de cantar, bem como equilibrar-se na variação de humores da corrosiva, triste e hilária figura da protagonista da história inspirada na obra homônima de Thomas Bernhard, Árvores abatidas.

A cena deu a sensação de que avançou para quase a íntegra do texto, e aí acho que o diretor Marcos Damasceno, que também assina adaptação, talvez não devesse ter mostrado exatamente um projeto pronto, ou quase lá, no âmbito experimental do que me parece ser esta Mostra.

Acompanho-o há tempos, sei do talento, da consistência e da seriedade com que leva adiante o seu projeto artístico, a ponto de manter um espaço no quintal da casa que aluga em Curitiba. Mas, na noite de ontem, Árvores abatidas soou como uma partitura completa, em que a presença da Rosana, do violinista Roger Vaz, de um texto que evoca Bernhard e do encenador nos bastidores nos condiciona para uma apresentação profissional.

Seria mais pertinente incorrer em algum experimento, algo mais inseguro, disforme e não tão consistente quanto o são a base de tudo aquilo que essa companhia vem apresentando nos palcos da sua cidade e do país. É paradoxal, mas é isso, no aqui da Mostra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…