Pular para o conteúdo principal

Narrativas d'eu



fotos: Elenize Dezgeniski
A sessão de sábado começou do lado de fora da Caixa Cultural, com a Companhia Silenciosa, e depois adentrou o teatro propriamente dito com mais dois trabalhos na Mostra Cena Breve



Os embalos de sábado à noite deram em bolhas de sabão a espocar em corpos de loiras “cachorras” lambendo o pára-brisa de um carro vermelho estacionado em frente ao teatro, sob flashes e uivos. Deram em mãos balançando o desejo na hora de tatear nus masculinos nas páginas projetados na tela sobre o sofá branco onde jaz um ator vestido de branco. Deram em cofrinhos de gesso coloridos caídos do céu e estilhaçados no tablado em que um amor tenta juntar seus cacos.

As narrativas do eu vão cavando seu espaço cada vez mais profundo na cena contemporânea brasileira, como nos dão notícias proposições como Los juegos provechosos – incríveis réplicas de dinossauros robotizados em tamanho natural, da Companhia Silenciosa, de Curitiba; Monocromo biográfico, da Barridos da Cena, também da cidade; e Quebre seu cofrinho, com a o grupo Teatro Albatroz, de Belo Horizonte.

Nos dois primeiros, os experimentos transbordam fetiches do corpo em rompantes de androginismo e falocentrismo (não por acaso um boneco inflável com o pênis ereto conecta as duas cenas). É como se os conteúdos explicitados no saguão, no asfalto ou no alto do prédio em frente à Caixa Cultural, pela Silenciosa, fossem prolongados para o palco quando o bastão é passado ao solo da Barridos.

O turbilhão de informações é amainado no palco nu e fundo escuro do derradeiro movimento. As palavras-pistas de Caio Fernando Abreu versam sobre os dragões pelos quais choramos em despedidas. Pena que o Albatroz, em meio a tantos acertos, peque justamente nos indefectíveis macacõezinhos pretos e rotos que masculinizam suas duas atrizes em nome de uma neutralidade de gênero presumida – como se uma só nesga do olhar dessas moças não fosse capaz de transmitir o feminino em alta voragem.

Comentários

Julie de Pádua disse…
nunca vi nada parecido !
Vanila Ice foi otima !! kkk
Julie,
não faltou agito naquele noite!
nosso abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…