Pular para o conteúdo principal

O látex, o esguicho e a capela. E o contrato!




fotos: Elenize Dezgeniski
Três seqüências de Los juegos provechosos – incríveis réplicas de dinossauros robotizados em tamanho natural, projeto da Companhia Silenciosa, de Curitiba



Assídua no histórico dos quatro anos desta Mostra, a Companhia Silenciosa cometeu uma “cena” das mais inquietantes. Los juegos provechosos – incríveis réplicas de dinossauros robotizados em tamanho natural, o título de implicações épicas risíveis desde largada, é um trabalho que veio para embaralhar as certezas e incertezas do lugar do teatro, do ator, do público, do cidadania (porque na dimensão da pólis) e da ética coligada a uma estética. Tudo coerente com os rumores dos projetos provocados desde que foi fundada em Curitiba, em 2002 - e dos quais acompanhei alguns, como Parasitas e Jesus vem de Hannover.

Desconhecia essa disposição no currículo do grupo para intervir em espaços públicos ao ar livre e a bel-prazer do “acaso”, essa instância rara de deparar em estado bruto, já que os dias de hoje são dados às armações. E o teatro, como arte da mentira (também, mas em contrapartida à verdade), vai por esses flancos com mais jogo de cintura.

Los juegos provechosos mantém o pacto de que não estamos diante de uma história. A Silenciosa fala por meio de outras bordas. Desconstrói com ferramentas da arte performática, do manifesto, da não-representação e do apreço pelas inversões de expectativa, de dramaturgia revirada do avesso. Um dos traços desse “mix” é a irreverência.

Todos os artistas oxigenaram o cabelo. No hall do teatro, onde tudo começa para depois ganhar a rua, arma-se a roda apinhada para entrever um sujeito, justamente o encenador Henrique Saidel fazendo as vezes de ator, metido em camiseta e cuecas vermelhas, a inflar bonecos com ares do pulmão ou artificiais. Contam-se três dinossaurinhos de plástico e um "homem de látex", desses de sex shop. Há ainda dois cavalinhos a girar em torno de si, movidos a pilha.

Esse carrossel desatina ao introduzir no círculo a figura do locutor comercial, um profissional das ruas curitibanas escalado para ler um texto árido em conceitos sobre a urbe, arquitetura e afins, no que deu para ouvir e entender. O locutor, voz empostada e nervosa, ornado em sua berrante roupa amarela, chama a atenção não pelo conteúdo, mas pelos tropeços na leitura, a dicção, a ignorância dos termos em inglês, e logo ele vira mote de piada, e não esta conseqüência em si da contracenação com o tipo espantoso que orquestra a brincadeira.

Soube-se depois, a companhia contratou o locutor, deu a ele uma ligeira explicação do que era a proposta, e o profissional topou. Quando se conjugou cidadania, estética e ética linhas acima, foi para jogar luz sobre essa opção. O nível de apropriação de uma pessoa cooptada fora do universo do teatro parece conspirar contra o caráter libertário que Los juegos provechosos prenuncia.

Para fazer um paralelo, o cineasta Eduardo Coutinho é referência no zelo para com seus personagens nos documentários, sem catapultá-los da realidade para distorcê-los, porque aí já não seria mais documento. Do jeito que tratou o locutor, a Silenciosa quebrou o “contrato” com seu público que não foi informado da “participação especial”, de que ele recebeu cachê para isso. Se o fizesse, talvez o riso ganhasse outra tonalidade.



A ação continuou na calçada da Caixa Cultural, quando estaciona um carro vermelho e deles saltam duas loiras, obviamente oxigenadas, pelas atrizes Giorgia Conceição e Marina Nucci. Elas ligam o som, abrem as portas, ensaboam a lataria com seus corpos voluptuosos, esguicham a mangueira entre si e no objeto do desejo, causando euforia em parte dos pedestres-espectadores que preenche as escadarias do teatro, a calçada e uma faixa do asfalto, todos fixados no lava-rápido improvisado (o fetiche combinava com aquela noite de sábado em que a mídia nacional veiculou à beça o encerramento de mais um Salão do Automóvel na capital paulista, onde o atropelamento de cuca tem trânsito livre).

O terceiro e último segmento precipita do alto da fachada de um prédio histórico do outro lado da rua, a Capela Santa Maria. Uma terceira atriz, Léo Glück, encarna a Mulher Maravilha (para completar o time de heróis saudados na Mostra) e desce pendurada em cabo-de-aço. Sob a mira de um canhão de luz, ela traz a reboque outro boneco inflável. Em certa passagem, o objeto de plástico cai sobre os fios de alta tensão, para surpresa inclusive dos protagonistas, aliviados por não ter ocorrido nenhum incidente. Quando alcança o chão, a Mulher Maravilha corre para o carro vermelho, onde as duas outras loiras já estavam embarcadas e o veículo sai em disparada.

O ato transcorreu assim, com sobressaltos que a própria Silenciosa não poderia dominar, sob risco de conspirar contra a concepção a que se atreveu, e o deslize em não cuidar da incorporação no mínimo artificiosa de um estranho no ninho. Dentro do caráter efêmero das artes cênicas, Los juegos provechosos verte especificidades que o tornam ainda mais único. Não se sai indiferente ao partilhar esse experimento que provavelmente não será mais visto ao vivo, ratificando a potência desse núcleo para eternizar alguns minutos da vida, real ou inventada, um limite tênue.

Comentários

Leonarda disse…
Nós, da Companhia Silenciosa, não conseguimos entender a necessidade atávica do viés moralista/cristianista da leitura tanto da arte em geral quanto do contrato do rapaz para a leitura do texto. Nenhum contrato, quando é feito, tem como pressuposto que o público fique conhecendo suas cláusulas primordiais. A Companhia Silenciosa não considera ter ferido nenhum juízo individual e/ou coletivo com isto. Nossa atitude, também em relação a isso, é performática e está em plena conformidade com nosso histórico artístico.

Agradecidamente,
Léo Glück,
Companhia Silenciosa 2008.
Léo e Silenciosa,
compreendo o ponto de vista. talvez o locutor fosse, afinal, a principal voz a ser ouvida.
a performance transcendeu a essa passagem.
nosso abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Zona erógena e cócegas

Em “Romeu e Julieta”, o frei Lourenço afirma que “Esses prazeres violentos têm finais violentos/ E, em seu triunfo, morrem como o fogo e a pólvora./ Que se consomem quando se beijam”. Para além do fundo histórico e social da tragédia, a impossibilidade da consumação do amor juvenil em Shakespeare talvez nos diga mais sobre a sabotagem dos desejos na contemporaneidade. Um prolongado beijo entre personagens que se dizem irmãos, ele e ela, é um dos múltiplos ruídos propositalmente desestabilizadores em “La Belle Merde”, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea, de Florianópolis. A objetividade científica da forma expositiva vem associada à apresentação de seminário ou conferência que aparenta se passar em sala de convenção ou sala de aula, ainda que sugira a neutralidade de um ambiente com uma cadeira e uma mesa discretas, além da luz invariável. Os atores Lara Matos, Lucas Heymanns e Marco Antonio Oliveira surgem alinhados à boca de cena. Têm atrás de si banners que exibem corpos nus …

Desencanto vital

Nem a fascinação nem a resignação. “Essa é a nossa linguagem!”, alguém avisa. O caminho do meio expandido e forrado de aptidões possíveis. A ação cênica “Outros Sobreviventes”, do Coletivo Mamulengos de Mameluri, mergulha no vale dos vácuos desencantados e de lá processa a capacidade de resiliência em produzir transformação, moto-contínuo de quem lida com arte. Há um pendor cumulativo na capacidade gregária de atrair trabalhadores cênicos de outros grupos de Curitiba e fazer do palco o seu terreno baldio a ser ocupado por/de figuras estranhas, objetos de filiações as mais diversas (livros, sofás, galões, figurinos soltos, etc.). Não deixa de ser uma demarcação para libertar-se daquilo que te prende: o teatro. Sobretudo seu desenho físico gerador de expectativas amortecidas, ou assim alimentadas pela maioria conformista daqueles que o habitam provisoriamente, independente da natureza arquitetônica do espaço. Desse amontoado em desordem crescente migramos para outras percepções. Há uma …