Pular para o conteúdo principal

Desencanto vital

Nolasco, Melina e Machado estão entre os 'Outros Sobreviventes' } Elenize Dezgeniski

Nem a fascinação nem a resignação. “Essa é a nossa linguagem!”, alguém avisa. O caminho do meio expandido e forrado de aptidões possíveis. A ação cênica “Outros Sobreviventes”, do Coletivo Mamulengos de Mameluri, mergulha no vale dos vácuos desencantados e de lá processa a capacidade de resiliência em produzir transformação, moto-contínuo de quem lida com arte. Há um pendor cumulativo na capacidade gregária de atrair trabalhadores cênicos de outros grupos de Curitiba e fazer do palco o seu terreno baldio a ser ocupado por/de figuras estranhas, objetos de filiações as mais diversas (livros, sofás, galões, figurinos soltos, etc.). Não deixa de ser uma demarcação para libertar-se daquilo que te prende: o teatro. Sobretudo seu desenho físico gerador de expectativas amortecidas, ou assim alimentadas pela maioria conformista daqueles que o habitam provisoriamente, independente da natureza arquitetônica do espaço. Desse amontoado em desordem crescente migramos para outras percepções. Há uma melancolia latente na figura da gralha azul estacionada sobre o banquinho-poleiro. O pássaro ícone da cultura paranaense e de sua principal premiação teatral fica inerte durante quase toda a apresentação. Um sintoma? Há passagens de abismos silenciosos, como se apelassem à afasia ao dispensarem qualquer juízo e reconhecerem a ignorância a respeito de tudo que transcenda as possibilidades cognitivas do ser humano. A diretora, “zeladora” e atriz Má Ribeiro orquestra esse devir mal-ajambrado, de tempo dilatado, de instrumento de sopro entupido como a pedra no meio do caminho da realidade em desmonte. Ideologia versus distopia. Experiência de arranque nas fendas, nos inacabamentos. A abertura dos fundos do Zé Maria Santos, como vem se repetindo, é a metáfora para saídas. Um cartaz, mediação que também reincide na presente edição da mostra, anuncia e pede “Cuidado in progress”. A vida lá fora e aqui dentro anda bruta, carece de atenção e força. Nesse manifesto cênico antimonotonia, que não esconde “milágrimas”, funções e desvios não são o que são e dispensam o ocaso: o “biscate” Luciano Faccini, o “carnavalesco” Gabriel Machado, o “vedetismo” de Leo Bardo, “a bailarina de perna curta” de Melina Mulazani e o “situacionista” Ricardo Nolasco. O trabalho dessa turma emociona com seu gosto de sal em lágrimas. (Valmir Santos)


Má Ribeiro e Machado: flerte com vitalidade e melancolia Elenize Dezgeniski

Comentários

José Henrique disse…
Parabéns a todos!
Vida longa à Selvática...
Bj especial ao meu filho Leo Bardo!

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…