Pular para o conteúdo principal

5 cabeças à espera de um trem – Cia 5 cabeças


A cena “5 cabeças à espera de um trem”, da Cia 5 cabeças, é uma cena fechada, bem acabada, que se propõe a ser uma obra em 15 minutos, não uma cena de uma peça ou uma amostragem de um processo. Nesse sentido, a Mostra é aberta para todas as possibilidades de cena e, dentro do conjunto de trabalhos apresentados, pode-se perceber que a escolha dos grupos é bem variada. Isso torna a Mostra muito interessante do ponto de vista da experimentação e do intercâmbio de linguagens. Para o público interno da Mostra, essa é uma característica bastante positiva. Mas, para o público externo, talvez nem tanto.

A cena da Cia 5 cabeças traz essa questão para a Mostra, mesmo que isso não esteja previsto pelo grupo ou pela cena. O trabalho desse grupo poderia interessar a qualquer espectador, até o menos comprometido com o teatro. Ao longo da Mostra, foram vistas cenas em processo a que se tentou dar um tratamento de finalização e cenas autônomas que tinham aspectos pouco resolvidos. A partir desse ponto, cabe perguntar em que medida o evento como um todo pode se abrir um pouco mais para o público e em que medida é melhor que ele permaneça nesse mesmo formato. Ficou a impressão de que quando um grupo vai mostrar um processo, ele pensa em mostrar só para os colegas, como se não houvesse espectadores na plateia. Por outro lado, outros grupos pareciam estar fazendo cena apenas para o seu próprio público. Entendo que tudo isso faz parte da Mostra e que este é um aspecto rico da proposta de um modo geral. Mas, em várias cenas, fiquei com a impressão de que a fruição do espectador, de um espectador qualquer, não era exatamente uma questão, que tudo se tratava mais dos modos de fazer do que dos modos de dar a ver.

Com isso, me desviei bastante do comentário sobre a cena em si, mas é que, a meu ver, a apresentação da cena chegou num ponto de relação com o espectador tão diferente das outras (e aqui não estou falando de qualidade, mas de proposta mesmo e talvez até de postura) que não me parece fazer sentido falar sobre ela como se fosse simplesmente mais uma cena. Talvez seja o caso de pensar um pouco nas questões levantadas pelas cenas e comentadas nos debates mais no que diz respeito às cenas como obras – mesmo que em processo. Talvez faça sentido pensar a questão das linguagens dos grupos, dos registros de atuação e de outras questões importantes para os artistas, menos como pesquisa interna e mais como questões da externalidade das cenas.
A cena da Cia 5 cabeças me fez vislumbrar a possibilidade de uma maior abertura da Mostra para o público da cidade como uma provocação para os grupos: conquistar território na cidade através deste formato de cena breve. Além do intercâmbio que já acontece entre os grupos e que, naturalmente, tem por si só um grande valor, poderia acontecer também um intercâmbio maior entre os grupos e o público da cidade.

Por Daniele Avila
Foto: Elenize Dezgeniski

Comentários

Anônimo disse…
gente...minha nossa!! Cade o Valmir santos!? Como ele faz faltaa!!!
greice disse…
NOSSA!!!!! EU QUE NÃO TE ENTENDI?! VALMIR?? RSRSRSRS QUESTÕES TÃO RELEVANTES PRA MOSTRA COMO UM TODO....ACHO QUE NÃO SABEMOS DISCUTIR MESMO!!!!
Anônimo disse…
Desculpe-me por não me identificar e pela forma incisa que escrevo. Talvez de fato faça sentido a análise de uma cena sem muitas delongas e sem puxar sardinha exessiva para a mostra... a mostra... a mostra... Cadê os conhecimentos teatrais? Cadê a crítica (lembra de que criticar não é falar mal hein!!), cadê o Valmir!!!?????
Anônimo disse…
excessiva!!!!!
tonyblasted disse…
"5 cabeças à espera de um trem-CIA
5 cabeças" Foi surpreendente.Assisti no espaço da
Vila Marçola.E vi como a peça,apesar de rápida,atingiu um público heterogêneo,crianças e pais
se divertiram e acho que até mesmo os atores ficaram emocionados com a
participação de todos.Cenograficamente perfeito.Valeu!

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…