Pular para o conteúdo principal

Coração acéfalo/Boca desgarrada - Companhia Subjétil


A cena da Companhia Subjétil apresenta uma característica interessante dentro do contexto da Mostra: a construção da dramaturgia para os sugeridos 15 minutos de apresentação em uma dinâmica coerente com a utilização do tempo. Na maior parte das outras cenas assistidas até agora, mesmo nas que foram pensadas especificamente para a Mostra, a duração ficou um pouco marcada como uma premissa externa – seja por insuficiência de tempo para que o espectador encontre um fio condutor para si, seja por uma tentativa de preencher os quinze minutos com o maior número possível de signos.

“Coração acéfalo/Boca desgarrada” tem uma cadência própria. Em outras apresentações, os 15 minutos foram divididos em mais de uma cena, às vezes cada uma com uma tônica diferente. Isso não é necessariamente um problema, afinal a Mostra abre possibilidades para uma variedade de propostas, mas dentro de um horizonte de convivência, me pareceu que essa particularidade da cena da Companhia Subjétil fez uma diferença para os espectadores. A diferença está na sensação de ter assistido alguma coisa que não demanda nenhuma referência externa. Mesmo no que diz respeito à referência à Medéia. O conhecimento prévio do mito não é determinante para a fruição da cena porque existe um horizonte de sentidos construído pela cena que permite que o espectador perceba com alguma clareza (mesmo que em diferentes camadas de entendimento) o que está sendo apresentado.

Vale apontar também para o aproveitamento das gags visuais, ou algo parecido com gags visuais (a queda e o gesto das mãos espalmadas para a frente) que lembram um pouco a estética de quadrinhos – não sei se propositalmente. Elas pontuam a cena e fazem uma espécie de costura, de mapeamento que, de algum modo, situa o espectador sem necessariamente contar uma história ou resolver um problema. Mas parece que uma possível gag foi deixada de lado. Depois de uma ou outra queda, o ator tira a atriz de cena puxando-a pelos pés e vice-versa. No momento seguinte, o palco ficava vazio. A encenação poderia aproveitar esse vazio, deixar ele acontecer. Mas o ator ou a atriz voltavam com uma certa pressa, fazendo com que esse vazio pareça um buraco, uma falha. Outra questão que parece uma falha (e só é possível falar de falhas quando a cena tem o que oferecer) é o figurino. A atriz estava com um vestido que parece ter sido pensado para a cena, mas o ator estava com uma roupa que parecia a roupa com a qual ele veio para o teatro. Uma coisa é a proposta do figurino ser cotidiana, outra coisa é não haver uma proposta de figurino.
De um modo geral, a cena foi muito bem trabalhada, mas a disparidade na habilidade do elenco é um problema que deve ser levado em consideração. É comum em trabalho de grupo que um ou outro ator seja um pouco mais fraco, há uma tolerância com relação a isso, os integrantes de cada grupo se conhecem e reconhecem o valor que cada um tem individualmente. Mas o espectador não tem nada a ver com isso. Em cena, é preciso ter técnica para estar em cena. Mesmo em teatro de grupo, em que é comum que os integrantes exerçam múltiplas funções, na hora de preparar alguma coisa que vai ser apresentada, é importante que as escolhas e escalações das funções sejam feitas de acordo com as habilidades específicas de cada um. Colocar dois atores em cena, sendo um mais hábil que o outro, é um problema. Um problema para a cena, para o diretor, para ambos os atores e para os espectadores. Esse é um assunto bastante delicado e, justamente por ser delicado, fala-se pouco sobre isso, mas é importante parar pra pensar.

Por Daniele Avila
Foto: Elenize Dezgeniski

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Zona erógena e cócegas

Em “Romeu e Julieta”, o frei Lourenço afirma que “Esses prazeres violentos têm finais violentos/ E, em seu triunfo, morrem como o fogo e a pólvora./ Que se consomem quando se beijam”. Para além do fundo histórico e social da tragédia, a impossibilidade da consumação do amor juvenil em Shakespeare talvez nos diga mais sobre a sabotagem dos desejos na contemporaneidade. Um prolongado beijo entre personagens que se dizem irmãos, ele e ela, é um dos múltiplos ruídos propositalmente desestabilizadores em “La Belle Merde”, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea, de Florianópolis. A objetividade científica da forma expositiva vem associada à apresentação de seminário ou conferência que aparenta se passar em sala de convenção ou sala de aula, ainda que sugira a neutralidade de um ambiente com uma cadeira e uma mesa discretas, além da luz invariável. Os atores Lara Matos, Lucas Heymanns e Marco Antonio Oliveira surgem alinhados à boca de cena. Têm atrás de si banners que exibem corpos nus …

Desencanto vital

Nem a fascinação nem a resignação. “Essa é a nossa linguagem!”, alguém avisa. O caminho do meio expandido e forrado de aptidões possíveis. A ação cênica “Outros Sobreviventes”, do Coletivo Mamulengos de Mameluri, mergulha no vale dos vácuos desencantados e de lá processa a capacidade de resiliência em produzir transformação, moto-contínuo de quem lida com arte. Há um pendor cumulativo na capacidade gregária de atrair trabalhadores cênicos de outros grupos de Curitiba e fazer do palco o seu terreno baldio a ser ocupado por/de figuras estranhas, objetos de filiações as mais diversas (livros, sofás, galões, figurinos soltos, etc.). Não deixa de ser uma demarcação para libertar-se daquilo que te prende: o teatro. Sobretudo seu desenho físico gerador de expectativas amortecidas, ou assim alimentadas pela maioria conformista daqueles que o habitam provisoriamente, independente da natureza arquitetônica do espaço. Desse amontoado em desordem crescente migramos para outras percepções. Há uma …