Pular para o conteúdo principal

Looners – Elenco de ouro



“Looners”, a cena do Elenco de ouro, parece ter abandonado um pouco, de um modo geral, o ponto de partida apontado no título, mas a referência aparece na cenografia: à frente de um fundo branco, um grande arco de balões vermelhos e brancos; em cena, uma gueixa. Assim, a cena associa a imagem do balão com uma imagem de fetiche. Mas os “looners” (pessoas que se excitam com balões de látex) ficam um pouco de lado.

Na cena, a gueixa faz uma coreografia enquanto uma voz masculina fala em off. O humor obscuro da cena como um todo é prejudicado pelo tom desta voz em off, que mostra que o autor do discurso carrega os seus questionamentos mais como um fardo, do que como uma bagagem. A voz do ventríloquo, aquela voz que fala através de uma imagem muda, é interessante quando ela se entorta nesse trânsito entre imagem e fala. Na cena em questão, há uma separação entre imagem e fala, elas não se contaminam.

Um outro ponto que pode ser apontado é o teor do texto gravado. A lida com conceitos e referências teóricas é importante para o artista quando ele se deixa atravessar por essas referências, mas querer levá-las literalmente para a cena pode ser um tiro no pé. É preciso ter um certo cuidado para não se levar a sério demais como pensador na hora de colocar as ideias em cena. Não porque o espectador “não vai entender” as referências, mas porque as referências perdem a força se elas não forem processadas, se elas não forem transformadas em objeto estético.

Por falar no espectador e na sua capacidade ou incapacidade de entender o que está vendo ou ouvindo, uma fala me chamou muito a atenção. Em determinado momento, a voz em off se dirige diretamente ao público, dizendo para o público parar de olhar para a frente porque o que tem no palco é só uma atriz, como se o espectador fosse uma criança iludida por alguma mentira. É muito comum que o teatro trate o espectador desse modo. Mas o espectador é tão inteligente quanto qualquer artista e o espetáculo não é a sombra na caverna de Platão, não é uma ilusão perversa que distrai o homem da visão da “verdade”. O espetáculo é algo que o ser humano pode ver, um objeto sobre o qual ele pode refletir, conversar, trocar ideias. Subestimar a capacidade cognitiva do espectador ou sugerir uma supressão do espetáculo não subverte a relação do espectador com a obra, mas corre o risco (e aqui não se trata do risco no bom sentido, da ousadia, da experimentação) de alienar o espectador.


Por Daniele Avila
Foto: Elenize Dezgeniski

Comentários

Mister Wild disse…
"É preciso ter um certo cuidado para não se levar a sério demais como pensador na hora de colocar as ideias em cena."

Com esta frase não parece que ela considera o espectador tão inteligente como qualquer artista...Na verdade...em todas as criticas ela e seu cristianismo exacerbado não parece acreditar em qualquer luz de inteligência no público...apenas nela mesma.
Anônimo disse…
em algumas críticas você disse que os grupos não são generosos com o público em geral que, por não dominarem repertório específico teatral ficam a ver navios de significados a afundar (se bem que essa imagem linda dos navios é minha, não sua), mas nessa crítica sobre o elenco de ouro você entra (mais uma vez) em contradição ao dizer que o público não é criança e blablablá. ainda bem que você disse isso, já que o público não é burro mesmo, mas é que até agora você vinha chamando o público de estúpido nos seus textos apressados. e não só o público, também os artistas. e especialmente os artistas da cidade. não gosto de puxar as orelhas de ninguém, mas ai ai ai... realmente, frases como essa "É preciso ter um certo cuidado para não se levar a sério demais como pensador na hora de colocar as ideias em cena" comprometem seu trabalho. você deve ter esquecido que a crítica pede responsabilidade exemplar, pois as suas são demasiado irresponsáveis.
Cleber Braga disse…
Cara, Daniela.
De fato Mister Wild e "Anônimo" tem razão quanto ao perigo de suas colocações: "...não se levar a sério demais como pensador na hora de colocar as idéias em cena."? Soa estranho. Não faço entretenimento, caríssima, nunca estive interessado em fazer. Para isso existem a televizão e as comédias fáceis da Treze de Maio. Talvez elas tenham mais disso que você chama de "respeito ao público". Talvez você as "entenda" com mais facilidade. Cada pessoa tem uma visão sobre arte e vida. Discordo radicalmente da sua. Mas respeito.
Você acha que a cena fugiu do "tema"? Talvez pense isso porque esperasse uma ficção. Mas não houve. O "tema" estava ali...para quem pudesse ver. Não foi seu caso.
O público jamais foi desrespeitado. Foi chamado a refletir sobre representação - num tempo em que tudo virou espetáculo - o que é diferente. Acho que você tem uma dificuldade de compreensão bem evidente. Sugiro o estudo da dramaturgia contemporânea como um todo( acho até desnecessário citar algo em específico). Informação nunca é demais. Mas para quem se dispõem a criticar , é imprescindível...

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…