Pular para o conteúdo principal

Burlescas Boogie-Woogie - Companhia Silenciosa

O que a Companhia Silenciosa traz para a Mostra Cena Breve é um recorte de 15 minutos de um espetáculo pronto, que acontece num espaço que não é de teatro, mas um lugar de festa, ao longo de 6 horas. A princípio, não se trata exatamente de um espetáculo teatral, mas, pelo que foi possível perceber, de uma série de números não necessariamente interligados. No entanto, a transposição do trabalho para o contexto da Mostra altera o estatuto do trabalho quase automaticamente. Isso não parece ter sido levado em consideração pelo grupo, de modo que a cena apresentada se aproxima mais de uma encenação de números de música e dança, uma espécie de representação mimética do que seria um show.

A ideia apresentada ao espectador na sinopse de "Burlescas Boogie-Woogie" aponta para a problematização e a relativização de alguns tópicos, mas o que se pode ver em cena é um bloco único, uma amostragem da noite clubber ou de uma estética do travestimento. Os atores parecem muito colados, muito aderidos ao que mostram, de uma forma que não abre fissuras para a relativização nem para a problematização. Em cena, não há contrastes: as três partes apresentadas ilustram um mesmo universo e a mesma abordagem deste universo.

A relação que fica visível entre os artistas e o que está sendo mostrado é a do fetiche. Não há como vislumbrar um atravessamento, um olhar artístico, uma atitude crítica para com o universo retratado. O que se vê é apenas um retrato. O flerte com a performance, por exemplo, não aparece. É claro que por “performance” pode-se entender muitas coisas, mas o que parece ser muito marcante na performance é a presença exposta do sujeito artista, do discurso – mesmo que visual – do artista. No trabalho apresentado pela Companhia Silenciosa, os sujeitos estão escondidos, protegidos atrás de uma série de artifícios de espetacularidade. Os artistas estão calados, mesmo quando cantam ou gritam no microfone. O que eles têm a dizer sobre o que estão mostrando não é perceptível.

Se, no contexto original das cenas, essa ideia de problematização, de relativização, acontece, vale observar que na transposição para o palco, isso ficou perdido. Mas não é novidade que o contexto de apresentação interfere diretamente na obra. Por isso, é difícil imaginar que isso simplesmente não tenha sido levado em consideração, o que leva a pensar que talvez a problematização não exista nem mesmo no contexto original.


Por Daniele Avila

Comentários

léo glück disse…
Participo da Mostra Cena Breve desde a sua primeira edição, em 2005, e, justamente por isso, tenho o interesse no suposto diálogo que a Mostra pretende gerar entre participantes, debatedores, grupos e público que tem contato com a cena.
Permitam-me dizer que penso que o que acontece aqui, neste ano de 2009, terá sido um completo engano da parte da organização da Mostra. Contratar ou coisa que o valha uma "jornalista/crítica" lixosa (talvez a verba deste ano tenha sido mal dividida e por isso a contratação de alguém [alguém quem???] mais barato, mais inferior), sem o menor entendimento sobre teatro (que dirá linguagem de grupo), com uma visão destrutiva, preconceituosa e pouco articulada sobre o que pensa dominar é, definitivamente, um passo em direção ao retrocesso.
Digo isso com relação ao que a Mostra tem conseguido ano após ano em termos de linguagem de grupos mesmo, como foi o exemplo do ano passado, que, ao menos, se preocupou com críticos interessados de verdade no assunto e interessados no crescimento das linguagens dos grupos.
Esta senhora posta para fazer esse serviço nesse ano simplesmente não sabe o que é o vaudeville, o teatro de variedades, o de revista, o burlesco, NADA! Simples assim: nada! Ela não absorve nada e, por consequência disso, não tem nada para passar adiante.
Seria interessante começar a pensar em gente mais abalizada e preocupada para assumir esta função nas próximas edições. Fica a dica.
Não é do interesse de ninguém, absolutamente, que uma pessoa SÓ fale mal do que os grupos fazem, falando mal, assim, do próprio evento do qual participa.
Isso NÃO É crítica de teatro.

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…