Pular para o conteúdo principal

Altos e baixos - Cia de Palhaços


Para analisar uma cena de palhaços, a minha condição de estrangeira fica ainda mais acentuada: não sei nada sobre palhaços, suas técnicas, suas poéticas e tradições. O que posso pensar e dizer é como espectadora especialmente interessada. Assim, faço algumas perguntas ingênuas. O que faz o palhaço fora do universo infantil? Quem se desloca? O espectador, que é infantilizado? Ou o palhaço, cujas premissas são problematizadas pelo deslocamento? Se o palhaço pode simplesmente ser um animador de festas, o que muda quando ele passa para o universo de criação artística?

Especulando sobre essas questões, acho que é possível pensar que quem faz o deslocamento maior é o próprio palhaço, embora a presença do palhaço naturalmente problematize a condição do espectador e provoque o seu deslocamento. O palhaço, fora do universo infantil, se transforma. Ele tem a possibilidade de subverter o contexto, não apenas quando distorce as coisas, mas, penso que principalmente quando ele consegue fazer um corte no que já está dado, quando ele consegue provocar um certo choque. Nesse sentido, a cena “Altos e baixos”, por mais divertida e simpática que seja, parece estar próxima demais do universo infantil do palhaço, mesmo que o tema abordado seja um tema adulto. O tratamento dado ao tema ficou no universo infantil.
Quais seriam as ferramentas que o palhaço poderia usar para fisgar o espectador adulto? Talvez seja possível pensar em trazer à tona um elemento característico do palhaço que fica mascarado no universo infantil, mas que, em alguma medida, está lá: a perversidade. O perverso é um elemento que parece estar na figura do palhaço, seja nas situações mais comuns dos números circenses (fazer o outro tropeçar, cair, se sujar, etc.), seja na própria aparência do palhaço, em que o que ele tem de mais incomum, estranho, torto ou feio, é acentuado e apontado como risível.

Fica a impressão de que a Cia de Palhaços se deixou contaminar pelo próprio carisma, pela própria simpatia, mas essas mesmas características poderiam ser usadas do avesso. (O palhaço não é uma figura meio do avesso?) Tive a sensação de que, como espectadora, eu estava rindo com os palhaços, mas o que seria perverso (se é que a minha ideia sobre a perversão na poética do palhaço faz algum sentido) seria rir dos palhaços. Com isso, a cena não seria simplesmente cômica, mas também provocativa e, quem sabe, comovente. E eu, como espectadora, não estaria simplesmente rindo, mas o meu riso seria atravessado por alguma outra coisa, por algum deslocamento que aquelas figuras distorcidas poderiam me provocar.

Por Daniele Avila
Foto: Elenize Desgeniski

Comentários

Anônimo disse…
"Para analisar uma cena de palhaços, a minha condição de estrangeira fica ainda mais acentuada: não sei nada sobre palhaços, suas técnicas, suas poéticas e tradições". Isso explica muita coisa. Seria interessante você conhecer um pouco mais a respeito do universo sobre o qual você escreve. Uma pessoa que se propõe a escrever críticas teatrais tem obrigação de assistir mais espetáculos e procurar se informar melhor. Uma crítica não fundamentada torna-se nula e acaba virando motivo de chacota.
Anônimo disse…
"Espectadora especialmente interessada"?! Seria essa a funçao e a especificidade da critica?
enfim, para mim é de uma IRRESPONSABILIDADE muito grande estar na funçao de critica de um EVENTO e não ter conhecimento sobre o que vai se escrever. Discordo completamente de que a cena Altos e Baixos de um tratamento infantil para a cena, e acredito que a forma como os dois intérpretes se expoem em cena e de uma generosidade e de um risco muito grande, o que mereceria ser apontado.
fico extremamente indignado com a forma rasa da critica de Daniela Avila, que novamente acredito ser de uma grande irresponsabilidade
Achamos interessante e ficamos gratos com este tipo de troca e retorno, tanto de quem escreve a critica quanto dos comentários. Abçs cia dos palhaços.

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…