Pular para o conteúdo principal

PIG LALANGUE

Foto: Elenize Dezgenisk

Texto: Daniel Schenker

A apresentação de Pig Lalangue traz à tona uma espécie de recalque coletivo, relacionado à costumeira necessidade do público de sentir que entende completamente – domina, nesse sentido – aquilo a que assiste. O ator Gustavo Bitencourt, do Couve-Flor Minicomunidade Artística Mundial, conta para o espectador uma história em língua ininteligível. Confronta, portanto, a plateia com a falta de acesso a códigos capazes de elucidar o que está sendo dito.

Há, como se pode perceber, uma problematização do conceito tradicional de conteúdo. O público precisa captar informações de fontes diversas do entendimento de uma história narrada. Pode interpretar Pig Lalangue a partir da proposta cênica – relativa a um “personagem” que fala em meio a uma goteira ininterrupta (elemento que aumenta a sensação de exasperação, já provocada pela impossibilidade de compreender o significado das palavras pronunciadas) e à inserção da cor (cabelo laranja, gravata roxa, copo verde) contrastando com a neutralidade do figurino.

Mais importante como porta de entrada a Pig Lalangue é o trabalho do ator, que imprime uma fala coloquial, distante da impostação, que ganha concretude com a gesticulação e pouco se altera com a entrada da trilha sonora. A partir de determinado momento, Gustavo Bitencourt investe, com frequência crescente, em distorções da própria voz, ainda que sem mudar, em grande parte, o registro da fala. Interferências sonoras invadem a cena (pulsação, sugestão de ato sexual) até o instante de catarse, cuja intensidade rompe, mesmo que brevemente, com a sobriedade do todo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Zona erógena e cócegas

Em “Romeu e Julieta”, o frei Lourenço afirma que “Esses prazeres violentos têm finais violentos/ E, em seu triunfo, morrem como o fogo e a pólvora./ Que se consomem quando se beijam”. Para além do fundo histórico e social da tragédia, a impossibilidade da consumação do amor juvenil em Shakespeare talvez nos diga mais sobre a sabotagem dos desejos na contemporaneidade. Um prolongado beijo entre personagens que se dizem irmãos, ele e ela, é um dos múltiplos ruídos propositalmente desestabilizadores em “La Belle Merde”, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea, de Florianópolis. A objetividade científica da forma expositiva vem associada à apresentação de seminário ou conferência que aparenta se passar em sala de convenção ou sala de aula, ainda que sugira a neutralidade de um ambiente com uma cadeira e uma mesa discretas, além da luz invariável. Os atores Lara Matos, Lucas Heymanns e Marco Antonio Oliveira surgem alinhados à boca de cena. Têm atrás de si banners que exibem corpos nus …

Desencanto vital

Nem a fascinação nem a resignação. “Essa é a nossa linguagem!”, alguém avisa. O caminho do meio expandido e forrado de aptidões possíveis. A ação cênica “Outros Sobreviventes”, do Coletivo Mamulengos de Mameluri, mergulha no vale dos vácuos desencantados e de lá processa a capacidade de resiliência em produzir transformação, moto-contínuo de quem lida com arte. Há um pendor cumulativo na capacidade gregária de atrair trabalhadores cênicos de outros grupos de Curitiba e fazer do palco o seu terreno baldio a ser ocupado por/de figuras estranhas, objetos de filiações as mais diversas (livros, sofás, galões, figurinos soltos, etc.). Não deixa de ser uma demarcação para libertar-se daquilo que te prende: o teatro. Sobretudo seu desenho físico gerador de expectativas amortecidas, ou assim alimentadas pela maioria conformista daqueles que o habitam provisoriamente, independente da natureza arquitetônica do espaço. Desse amontoado em desordem crescente migramos para outras percepções. Há uma …