Pular para o conteúdo principal

Pachamama

Nena Inoue, natureza da latinidade expressa } Elenize Dezgeniski

Por mais contundente a condição da mulher relatada em “Para Não Morrer”, com seu corpo tensionado, a boca distorcida, a gestualidade contida, a postura ereta sentada numa poltrona cenográfica, a imagem engendrada pela presença de Nena Inoue produz uma força ambivalente de sabedoria que a aproxima da Pachamama. Na língua quéchua, “pacha” equivale a universo, a lugar, a tempo, enquanto “mama”, pressuposto, alude à mãe. Essa Mãe Terra é considerada uma divindade andina pelo que encerra de fertilidade e feminino. O tecido estampado do sofá funde-se ao figurino e aos adereços da atriz de cabelos esvoaçados, delineando a imagem triangular de uma montanha. Jarros d’água mimetizam a ilha ao redor. Aqui a natureza brota em sua raiz, despida da plasticidade oca do comercial de cosmético. A voz que está com uma mulher engasgada na garganta bebe dos escritos curtos de Eduardo Galeano (1940-2015). O tratamento dramatúrgico de Francisco Mallmann dá corpo ao coro de lutadoras contra a opressão, sobretudo latino-americanas, coirmãs nos atos de resistência e na condição de vítimas sistêmicas ou imediatas sob mãos mais pesadas e não raro íntimas da violência em diferentes graus da existência. Nena Inoue transcende a difícil tarefa de interpretar em contato com o grotesco, registro que nessa proposta implica deformar a própria enunciação. Para quem foi forjada no ofício tendo a palavra em alta conta, pode-se supor o tamanho da dificuldade desse projeto que idealizou e contou com a cocriação de Babaya Morais, preparadora vocal que zelou pelo não transbordamento. Não há válvula para lirismo nem mesmo quando o autor uruguaio vai às fontes com Sherezade, aquela que fez do medo de morrer a genialidade para narrar e salvar-se da morte iminente. Os tempos são secos, urgentes e doloridos na acepção da criadora e fundadora do Espaço Cênico. Ao menos se permite saudar o hino de Mercedes Sosa na abertura e no desfecho. O conteúdo do trabalho conversa bem com a primeira cena da noite, “Con la Carmen no Te Metas”, da Súbita Companhia de Teatro. (Valmir Santos)


'Para não morrer' evoca 'Mujeres' de Eduardo Galeano } Elenize Dezgeniski

Comentários

Yoko Teles disse…
Genial o texto e a obra. Parabéns pelo blogue!

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Zona erógena e cócegas

Em “Romeu e Julieta”, o frei Lourenço afirma que “Esses prazeres violentos têm finais violentos/ E, em seu triunfo, morrem como o fogo e a pólvora./ Que se consomem quando se beijam”. Para além do fundo histórico e social da tragédia, a impossibilidade da consumação do amor juvenil em Shakespeare talvez nos diga mais sobre a sabotagem dos desejos na contemporaneidade. Um prolongado beijo entre personagens que se dizem irmãos, ele e ela, é um dos múltiplos ruídos propositalmente desestabilizadores em “La Belle Merde”, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea, de Florianópolis. A objetividade científica da forma expositiva vem associada à apresentação de seminário ou conferência que aparenta se passar em sala de convenção ou sala de aula, ainda que sugira a neutralidade de um ambiente com uma cadeira e uma mesa discretas, além da luz invariável. Os atores Lara Matos, Lucas Heymanns e Marco Antonio Oliveira surgem alinhados à boca de cena. Têm atrás de si banners que exibem corpos nus …

Desencanto vital

Nem a fascinação nem a resignação. “Essa é a nossa linguagem!”, alguém avisa. O caminho do meio expandido e forrado de aptidões possíveis. A ação cênica “Outros Sobreviventes”, do Coletivo Mamulengos de Mameluri, mergulha no vale dos vácuos desencantados e de lá processa a capacidade de resiliência em produzir transformação, moto-contínuo de quem lida com arte. Há um pendor cumulativo na capacidade gregária de atrair trabalhadores cênicos de outros grupos de Curitiba e fazer do palco o seu terreno baldio a ser ocupado por/de figuras estranhas, objetos de filiações as mais diversas (livros, sofás, galões, figurinos soltos, etc.). Não deixa de ser uma demarcação para libertar-se daquilo que te prende: o teatro. Sobretudo seu desenho físico gerador de expectativas amortecidas, ou assim alimentadas pela maioria conformista daqueles que o habitam provisoriamente, independente da natureza arquitetônica do espaço. Desse amontoado em desordem crescente migramos para outras percepções. Há uma …