Pular para o conteúdo principal

Abertura provoca tremores mínimos na cidade

por Luciana Romagnolli
"Desvios Urbanos". Foto de Lidia Sanae Ueta.

Curitiba sofre com uma timidez - ou um desinteresse mesmo - em ocupar os espaços públicos. Complexa questão antropológica, de possíveis determinações climáticas, que não nos cabe aqui responder. Mas que esvazia a cena teatral da cidade de produções que se lancem a céu aberto, seja pela linguagem do teatro de rua, da performance ou da intervenção. Quando o Sesc ocupou o Paço da Liberdade, a promessa era de que o calçadão em torno do prédio histórico seria habitado por espetáculos, o que raramente se deu. Tanto quanto, em qualquer outro ponto da cidade, é raro ver o trânsito de pessoas interrompido por uma agitação estética que as derrube, por alguns momentos, do delírio coletivo de um cotidiano padrão.

Ao atrair uma intervenção poética justamente para as imediações do Paço da Liberdade, com irradiações pela Rua das Flores, como ato inaugural de sua 8ª edição, a Mostra Cena Breve atesta sua vontade de tremular a cidade e acordar o passante de seu sonambulismo rotineiro para uma experiência cênica, aproximando o teatro, em seus deslimites, também de uma comunidade ausente dos edifícios teatrais. Esta tem sido, afinal, a vocação da CiaSenhas, organizadora da mostra, desde que instalou sua sede na rua São Francisco.

Vinda de Porto Alegre, a Cia. Rústica adota uma postura de infiltração em "Desvios Urbanos", silenciosamente intervindo na paisagem urbana pelo desfilar de figuras destoantes, que abrem pontos de fuga na malha urbana. Pessoas com cabeças de burro, uma mulher que cai, outra presa a boias, um homem sem rosto cujo coração de balão é estourado, mulheres em vestidos longos, uma delas constantemente desconfortável com a fenda que exibe, um homem que lê... Tais personagens se misturam à confusão de transeuntes, como fissuras que os mais desatentos nem notarão.

São mínimos tremores, acenando para possibilidades de outras vivências, outras rotinas, outros modos de expressão, leitura e ação sobre o mundo, fundados em capacidades poetizantes, metafóricas, representacionais e oníricas que, na vida cotidiana, parecem diluídas. É uma intervenção tímida, como talvez seja esta cidade, a partir da qual germina o desejo de ver outras, muitas - além das sutis, também as dispostas a abalar ruidosamente as estruturas do fluxo urbano e propagar sua força de afetação.



Comentários

Anônimo disse…
Vou fazer um breve comentário concernente apenas à primeira frase do post de Luciana - "Curitiba sofre com uma timidez - ou um desinteresse mesmo - em ocupar os espaços públicos". Certamente não teria como analisar esta afirmação de um ponto de vista das manifestações teatrais, mas posso ao menos acenar com uma percepção - Curitiba vem a alguns anos redescobrindo o espaço público ou, mais acertadamente, transformando em esfera pública certos espaços da cidade. E dá-lhe Carnaval, Garibaldis e Sacis, passeatas das Vadias ou da Diversidade Sexual, "ano novo" na praça da Espanha, Virada Cultural, Bicicletada, ações artísticas. Pode ser pouco para os olhos de algum sociólogo ou antropólogo, mas sinto algo muito positivo aí. Tenho na cabeça ainda o Comício das Diretas Já (o primeiro do Brasil) no calçadão da rua XV. Aquele burburinho, tanto tempo, crises, desafios e transformações depois, parece que tem reverberado por aqui. Abraços de Paulo Reis.
Luciana disse…
É verdade, Paulo, vejo, a distância, esse burburinho acontecer. Mas ainda me parece bastante inicial. Estou vivendo em uma cidade (Belo Horizonte) onde se reclama de não se ocupar mais os espaços públicos, mas essa ocupação já é incomparável com aqui. Quero dizer que há muito ainda a agitar nesta Curitiba.

Postagens mais visitadas deste blog

Sem pena

A objetificação da mulher é tão brutal na sociedade machista que quando ocorre o inverso – o corpo masculino tratado como carne na vitrine –, poucos se dão conta. A performance Pós-frango faz uma articulação estética e filosoficamente bem urdida dessa espécie de contradição. O ator e dançarino Zé Reis, da companhia brasiliense Errante, perpassa imagens figurativas e disruptivas. Pelado, ele alude a estereótipos e convenções a partir de um corpo escultórico, evidenciando músculos que servem ao gogo boy ou ao fisiculturismo. E à arte, claro. Como as aparências enganam, mas, enfim, aparecem – já dizia Leminski –, os desfazimentos dessa plasticidade fútil por volumes e relevos outros tornam as suspensões poeticamente forjadas nesse mesmo corpo sobreposições maleáveis e sofisticadas desse mesmo material capturado do registro grosso da paisagem urbana. Estendido de uma ponta à outra na dianteira do palco, o varal de asas de frango espetadas e a panela elétrica que assa nuggets no proscênio …

Ação de despejo

No mundo vasto mundo da cena curta, dificilmente uma criação imprime um percurso que possa se inferir com começo, meio e fim. A elaboração dramática em “Pour Poor Andy”, do Grupo P.U.T.O., assume unidades temporais e espaciais e, dentro delas, comete deslocamentos de percepção que enriquecem o imaginário em torno da mulher que faz da sua casa e do seu corpo não-lugares. Ela admite o quanto é ruim não se reconhecer em seu próprio corpo, equivalente à atitude de trancar-se no banheiro em plena festa que acontece em sua casa. É um achado a síntese construída em torno do ser associal, capaz de incomodar-se com o ruído da própria presença. A excelência técnica da intérprete Juliane Souto, também ela dramaturga, cria um colchão de gênero musical na dobradinha de voz e teclado com o músico Álvaro Antonio. Um colchão rítmico, em todos os sentidos, para deitar a solidão e a clausura da personagem. O jazz se traduz nas partituras físicas e nos desenhos de luz e da cenografia. Nem a delimitação …

Obscenas é que não são elas

E tudo recomeça do avesso. No verso, na “bunda” do teatro. O som do sapateado – em crescendo – detrás dos portões que dão acesso ao palco para carga e descarta de material. Ouvimos o sol sob os sapatos flamencos. A imaginação vai longe. Suspense. O que vem são quatro ciganas de pernas abertas e de peito aberto para tourear o machismo explícito e secular das sociedades, não importa a topografia. Na Antiguidade, assassinatos e batalhas sangrentas eram chamados obscenos por acontecerem fora do alcance da visão do público. Aqui, o espectador entra pelos fundos, permanece em pé, pode se agachar na clareira da cena no tablado ou avançar para os assentos da plateia propriamente dita, nos rearranjos e angulações possíveis para encontrar o campo de relação com a experiência. Em “Con la Carmen no Te Metas”, a Súbita Companhia de Teatro subverte o entendimento daquilo que está por trás do que está por trás. Escancara a obscenidade da violência contra a mulher, esse corpo-território disputado des…