Pular para o conteúdo principal

Desencanto vital

Nolasco, Melina e Machado estão entre os 'Outros Sobreviventes' } Elenize Dezgeniski

Nem a fascinação nem a resignação. “Essa é a nossa linguagem!”, alguém avisa. O caminho do meio expandido e forrado de aptidões possíveis. A ação cênica “Outros Sobreviventes”, do Coletivo Mamulengos de Mameluri, mergulha no vale dos vácuos desencantados e de lá processa a capacidade de resiliência em produzir transformação, moto-contínuo de quem lida com arte. Há um pendor cumulativo na capacidade gregária de atrair trabalhadores cênicos de outros grupos de Curitiba e fazer do palco o seu terreno baldio a ser ocupado por/de figuras estranhas, objetos de filiações as mais diversas (livros, sofás, galões, figurinos soltos, etc.). Não deixa de ser uma demarcação para libertar-se daquilo que te prende: o teatro. Sobretudo seu desenho físico gerador de expectativas amortecidas, ou assim alimentadas pela maioria conformista daqueles que o habitam provisoriamente, independente da natureza arquitetônica do espaço. Desse amontoado em desordem crescente migramos para outras percepções. Há uma melancolia latente na figura da gralha azul estacionada sobre o banquinho-poleiro. O pássaro ícone da cultura paranaense e de sua principal premiação teatral fica inerte durante quase toda a apresentação. Um sintoma? Há passagens de abismos silenciosos, como se apelassem à afasia ao dispensarem qualquer juízo e reconhecerem a ignorância a respeito de tudo que transcenda as possibilidades cognitivas do ser humano. A diretora, “zeladora” e atriz Má Ribeiro orquestra esse devir mal-ajambrado, de tempo dilatado, de instrumento de sopro entupido como a pedra no meio do caminho da realidade em desmonte. Ideologia versus distopia. Experiência de arranque nas fendas, nos inacabamentos. A abertura dos fundos do Zé Maria Santos, como vem se repetindo, é a metáfora para saídas. Um cartaz, mediação que também reincide na presente edição da mostra, anuncia e pede “Cuidado in progress”. A vida lá fora e aqui dentro anda bruta, carece de atenção e força. Nesse manifesto cênico antimonotonia, que não esconde “milágrimas”, funções e desvios não são o que são e dispensam o ocaso: o “biscate” Luciano Faccini, o “carnavalesco” Gabriel Machado, o “vedetismo” de Leo Bardo, “a bailarina de perna curta” de Melina Mulazani e o “situacionista” Ricardo Nolasco. O trabalho dessa turma emociona com seu gosto de sal em lágrimas. (Valmir Santos)


Má Ribeiro e Machado: flerte com vitalidade e melancolia Elenize Dezgeniski

Comentários

José Henrique disse…
Parabéns a todos!
Vida longa à Selvática...
Bj especial ao meu filho Leo Bardo!

Postagens mais visitadas deste blog

Zona erógena e cócegas

Cena  parte de texto de catalão e é dirigida por André Carreira }  Elenize Dezgeniski Em “Romeu e Julieta”, o frei Lourenço afirma que “Esses prazeres violentos têm finais violentos/ E, em seu triunfo, morrem como o fogo e a pólvora./ Que se consomem quando se beijam”. Para além do fundo histórico e social da tragédia, a impossibilidade da consumação do amor juvenil em Shakespeare talvez nos diga mais sobre a sabotagem dos desejos na contemporaneidade. Um prolongado beijo entre personagens que se dizem irmãos, ele e ela, é um dos múltiplos ruídos propositalmente desestabilizadores em “La Belle Merde”, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea, de Florianópolis. A objetividade científica da forma expositiva vem associada à apresentação de seminário ou conferência que aparenta se passar em sala de convenção ou sala de aula, ainda que sugira a neutralidade de um ambiente com uma cadeira e uma mesa discretas, além da luz invariável. Os atores Lara Matos, Lucas Heymanns e Marco Antoni

Coração acéfalo/Boca desgarrada - Companhia Subjétil

A cena da Companhia Subjétil apresenta uma característica interessante dentro do contexto da Mostra: a construção da dramaturgia para os sugeridos 15 minutos de apresentação em uma dinâmica coerente com a utilização do tempo. Na maior parte das outras cenas assistidas até agora, mesmo nas que foram pensadas especificamente para a Mostra, a duração ficou um pouco marcada como uma premissa externa – seja por insuficiência de tempo para que o espectador encontre um fio condutor para si, seja por uma tentativa de preencher os quinze minutos com o maior número possível de signos. “Coração acéfalo/Boca desgarrada” tem uma cadência própria. Em outras apresentações, os 15 minutos foram divididos em mais de uma cena, às vezes cada uma com uma tônica diferente. Isso não é necessariamente um problema, afinal a Mostra abre possibilidades para uma variedade de propostas, mas dentro de um horizonte de convivência, me pareceu que essa particularidade da cena da Companhia Subjétil fez uma diferença